Estratégia de Vida: como criar a vida que queres

🗃️Índice

Qual é a vida que queres ter? E como criar essa vida? Descobre tudo neste artigo! 😁🔥

ATENÇÃO: Alguns textos em Construção! 👷

➤Público-Alvo

  • Queres decidir o que fazer na vida (e saber quais são as opções)
  • Queres atingir a liberdade financeira (criar negiocio que te ganha dinherio trabalhando pouco ou nada)
  • Queres saber como o dinheiro e finanças realmente funcionam
  • Queres ser Criador de Conteúdo

➤Como concluir o 12.º Ano?

➤Opções depois do 12.º Ano?

➤É importante fazer um curso superior?

A pergunta mais importante é:

  • Se não fores fazer um curso superior, tens uma maneira melhor de usar esse tempo?
    • Sim? Então faz essa maneira melhor.
    • Não? Então faz um curso superior.

Em mais detalhe:

  • No geral, se tiveres uma ideia exata do que queres fazer agora, e se para isso não precisas de um curso superior, podes experimentar isso primeiro e mais tarde, se quiseres, podes fazer um curso superior que se alinhe com esses interesses
  • Mas se não tens uma ideia exata do que queres fazer agora, é preferível manter as opções em aberto e entrar num curso superior numa área que te interesse (porque para imensos empregos, ainda é basicamente obrigatório ter um curso superior). Aprende ao máximo no curso e vai usando o curso para perceber melhor o que queres fazer na vida.

No fundo, depende imenso da tua situação e da vida que queres ter. Pessoalmente, o que eu digo sempre é: escolhe o caminho que mais te desafia.

➤Como escolher um Curso Superior?

➤Como escolher um Curso Superior (em 5 passos simples!)

1. Escreve Tudo num Documento

Primeiro, abre um documento para escreveres tudo (no computador/telemóvel ou à mão). Vais ver que é muito mais fácil pensares e organizares as tuas ideias quando escreves tudo.

RESULTADO: Tens um documento em branco à tua frente.

2. Vê todas as opções disponíveis e escreve as que mais te interessam (de preferência, de 4 áreas de estudo diferentes)

  • Para os cursos do ensino superior público: pesquisa em função das provas de ingresso que tens, através da ferramenta da DGES (ficarás com uma lista de todos os cursos que podes escolher com essas provas de ingresso). E depois, é só copiares para o documento os cursos que mais te interessam à primeira vista – recomendo um número qualquer de cursos de 4 áreas de estudo diferentes (ou seja, 4 nomes de curso diferentes), para te obrigar a considerares opções para além do que normalmente considerarias.
  • Se tiveres outras opções que não sejam do ensino superior público (por exemplo, ensino superior privado, ensino superior militar, ensino superior estrangeiro, gap year, CTeSP, etc): então podes copiar essas opções também para o documento

E muito importante: por agora, ignora completamente as médias do último colocado dos anos anteriores nesses cursos (para não influenciar a tua decisão). Quando for altura de olhar para isso, eu direi.

RESULTADO: No teu documento, já tens uma lista dos cursos e outras opções que mais te interessam à primeira vista (de preferência, de 4 áreas de estudo diferentes, ou seja, 4 nomes de curso diferentes).

3. Experimenta mentalmente cada opção e imagina os resultados previsíveis.

Agora, podemos dividir a escolha de curso em 2 passos:

  1. Primeiro, escolhe o área de estudo
  2. Depois, escolhe as universidades

Como não podes experimentar todos os cursos na vida real, então o melhor que podes fazer é experimentar todos os cursos na tua imaginação. A única diferença é que não vais tentar prever tudo o que acontecerá (porque é impossível preveres), mas vais imaginar só os resultados previsíveis/certos (que consegues prever, que tens a certeza que acontecerãopara cada curso que escolhas.

Vamos então imaginar a tua vida futura (dia-a-dia futuro) durante e depois da universidade. Ao escolheres o teu curso, essa escolha levará a quais resultados previsíveis? Se pensares nisso, verás que a tua escolha de curso levará a cerca de 7 resultados previsíveis, que deixo abaixo (e se tu te lembrares de mais resultados previsíveis, podes adicioná-los):

  1. Escolher a área de estudo afetará:
    1. As matérias que terás de estudar durante 3 ou mais anos (Que matérias estás disposta a estudar durante 3 ou mais anos?) – Para ajudar-te a responder, pensa nas matérias que preferes estudar agora, e pesquisa as cadeiras que irias estudar no curso
    2. As matérias que saberás quando saíres do curso (Que matérias queres saber quando saíres do curso?) – Para ajudar-te a responder, pesquisa e pensa nas possibilidades de futuro quando tens esse conhecimento (empregos, projetos/negócios que podes criar e outros usos para a tua vida)
    3. O diploma que terás quando saíres do curso (Que diploma queres ter quando saíres do curso?) –  Para ajudar-te a responder, pesquisa e pensa nas possibilidades de futuro quando tens esse diploma (empregos e mestrados/doutoramentos), 
    4. O número de anos em que ficarás com “Liberdade Condicionada” (Durante quantos anos queres ter a tua vida “automaticamente decidida”, com pouco tempo livre para outros projetos?)
  2. Escolher a universidade afeta:
    1. A tua Localização (Insistes em alguma localização específica?) –  Para ajudar-te a responder, pesquisa e pensa no quanto tu valorizas a preferência regional, o custo/tempo/inconveniência das deslocações, o alojamento, a meteorologia, as empresas/laboratórios/outras organizações existentes, e outros fatores determinados pela localização da universidade.
    2. As Oportunidades Previsíveis (Insistes em alguma oportunidade específica que só há nesta universidade?) – Por exemplo, clubes, projetos, organizações, estágios, investigação, conexões com certas empresas, etc.
    3. As Tarefas Diárias Previsíveis (Insistes em ter mais exames ou mais trabalhos de grupo? Insistes em ter mais aulas práticas ou teóricas? Insistes em ter mais desta ou daquela cadeira/disciplina?)

Agora, para cada curso que mais te interessa à primeira vista, escreve as tuas 7 ou mais respostas às 7 ou mais perguntas acima (que, no fundo, são os 7 ou mais resultados previsíveis de escolheres esse curso)..Escreve todas as respostas no teu documento (para ser fácil comparares os cursos depois). Faz o mesmo também para as outras opções que não são do ensino superior público (caso tenhas alguma), considerando também outros resultados previsíveis extra (por exemplo, diferentes preços de propinas, etc.)

RESULTADO: No teu documento, para cada curso que mais te interessa à primeira vista, tens os 7 ou mais resultados previsíveis da escolha desse curso (e o mesmo acontece também para as outras opções que não são do ensino superior público, caso tenhas alguma).

4. Decide 6 cursos e ordena-os, com base nos resultados previsíveis que mais valorizas (e decide também as outras opções)

Agora, no documento, olha para as 7 ou mais respostas que tens para cada curso. Provavelmente haverá certos resultados previsíveis que valorizas mais do que outros. Sendo assim, com base nesses resultados previsíveis que mais valorizas, agora escolhe os 6 cursos que mais queres e ordena-os por ordem de preferência (porque, na candidatura oficial, vais ter de escolher até 6 cursos e ordená-los)

O MEU EXEMPLO – Eu decidi com base nos 4 ou 5 resultados previsíveis que eu mais valorizava:

  1. Área: Matemática
    1. era a única matéria que me via a estudar profundamente (e dar o meu melhor) durante 3 ou mais anos, 
    2. e também deixava o meu futuro em aberto (o meu objetivo era tirar doutoramento e ser professor/investigador de Matemática, mas se mudasse de ideias, então teria muitas outras opções de emprego/negócio).
  2. Universidades: Várias em Inglaterra
    1. Universidades com tarefas mais exigentes (com mais trabalhos de casa, mais apoio individualizado aos alunos pelos professores e alunos, mais variedade de cadeiras/disciplinas obrigatórias e opcionais, etc.)
    2. Em localização, ir para Inglaterra foi também pela exigência e por sentir que precisava de um tempo longe de tudo e todos (para eu poder aprender a ser independente e ver o que eu realmente era capaz de fazer sozinho).
    3. Em localização, decidi também evitar cidades grandes (mais calma, especialmente à noite) 
  3. Depois, ordenei os cursos: ordenei-os do mais exigente (em 1º lugar) até ao menos exigente (em último lugar).

Se tiveres outras opções que não são do ensino superior público, então com base nos seus resultados previsíveis que mais valorizas, decide se queres ou não avançar também com essas opções (tendo também em conta o custo das candidaturas e as tuas probabilidades de teres uma candidatura bem sucedida, caso se aplique)

RESULTADO: Já tens os 6 cursos que queres, ordenados por ordem de preferência (e também decidiste se avanças ou não com as outras opções que não são do ensino superior público, caso tenhas alguma)

5. Garante que tens média suficiente para pelo menos 2 dos teus 6 cursos

Agora sim: olha para a média do último colocado dos anos anteriores dos teus 6 cursos e verifica se tens média maior ou igual à do último colocado em pelo menos 2 desses cursos.

  • Se tiveres em pelo menos 2: então ótimo, terminaste!
  • Se não tiveres em pelo menos 2 (ou seja, tiveres só em 1 ou 0): então troca o teu último e/ou penúltimo curso por 1 outro ou 2 outros cursos em que tenhas média maior ou igual à do último colocado, respetivamente (de forma a que, depois da troca, tenhas pelo menos 2 cursos em que a tua média é maior ou igual à do último colocado). Depois disso, terminaste!

Exemplo: Se só tens média maior ou igual à do último colocado na tua 3ª opção, então troca a tua última opção por uma nova opção em que tenhas média maior ou igual à do último colocado (para que fiques com média maior ou igual à do último colocado em pelo menos 2 opções – neste caso, a 3ª e última opções)..

Com isto, tens pelo menos 2 cursos em que é quase garantido entrares, ao mesmo tempo que te dás as máximas chances de “ter sorte” nos cursos restantes, e conseguires entrar num desses cursos se a média descer (no fundo, deixas o máximo de opções boas em aberto!)  

RESULTADO: Já tens os 6 cursos que queres, ordenados por ordem de preferência, e onde tens média maior ou igual à do último colocado em pelo menos 2 desses cursos. Terminaste! Agora, é só colocares essas 6 opções na candidatura oficial (e avançares também com as outras opções que não são do ensino superior público, caso tenhas alguma). E está feito! 😁🔥

➤O que fazer nas férias?

🤩Porquê aproveitar as férias?

Até ao meu 12º ano, eu nunca aproveitei bem as férias. Passava as férias todas impulsivamente a fazer o que estivesse mais à mão, o que normalmente significava passar todo o dia a jogar, todos os dias.

O problema? Terminavam as férias e eu sentia-me na mesma, exatamente como comecei. Tinha passado tanto tempo e, no entanto, eu sentia que quer eu tivesse quer não tivesse tido essas férias, eu não notaria qualquer diferença.

Conclusão? Tinha acabado de desperdiçar semanas ou meses da minha vida. Ouch!

Mas depois do meu 12.º ano, tudo mudou: percebi que as férias são a maior oportunidade de todas. De facto, são a oportunidade perfeita para:

  • treinares a tua independência e iniciativa (ao escolheres a tua rotina e atividades)
  • experimentares coisas novas e descobrires o que gostas e não gostas de fazer

Tudo isto é importantíssimo para:

  • te tornares mais organizado e disciplinado (e teres uma vantagem enorme quando voltares à escola ou universidade, fizeres um Gap Year ou começares a trabalhar por conta própria)
  • começares já a criar a vida que queres ter (seguindo a rotina e fazendo a s atividades que gostarias de ter sempre no teu dia-a-dia).

Por exemplo, eu, até ao meu 12º ano, era uma desorganização total. E foi durante as férias que aprendi a ser organizado (o que foi fundamental para arrasar na universidade sem stress!).

E também foi nas férias que comecei o meu canal de YouTube, que agora é o meu trabalho, e que me permite ter a vida que quero ter.

Se eu pudesse voltar atrás no tempo, eu teria dito ao meu eu do passado: “começa já a aproveitar bem as férias”, porque vais aprender a ter disciplina (e começarás já a criar a tua vida de sonho!)

É claro que não posso avisar o meu eu do passado, mas posso avisar-te a ti: não cometas os mesmos erros que eu cometi e começa já a aproveitar bem as férias!

Mas como aproveitar bem as férias? É disso que vamos falar agora, passo a passo!

🤔Queremos: Como decidir o que fazer?

Mas antes de mais, o que significa “aproveitar bem as férias”? Significa não fazeres o mesmo de sempre (jogos, redes sociais, etc.) a toda a hora, mas sim saíres da tua rotina e experimentares atividades novas.

O que gostarias de experimentar?

Mas que atividades novas vais experimentar? Como é que decides? Basta responderes à pergunta: “O que é que gostarias de experimentar?”.

Por exemplo, podes experimentar:

  • aprender Inglês – importantíssimo! (ou outra língua, se já dominares inglês)
  • aprender uma linguagem de programação (especialmente, Python, ou outra)
  • adiantar o estudo para alguma disciplina da escola ou universidade
  • trabalhar na área em que achas que queres trabalhar no futuro (num emprego, estágio, voluntariado ou projeto pessoal)
  • criar conteúdo num blog, YouTube ou outras redes sociais (sobre o que te apetecer!)
  • qualquer outra atividade que tu queiras experimentar

Vou repetir: acima de tudo, escolhe atividades que tu queiras experimentar.

Cria um projeto!

Agora, pensa nisso. Já tens pelo menos uma atividade que queiras experimentar?

Quando tiveres pelo menos uma atividade que queiras experimentar, então define um projeto que te permita experimentar essa atividade.

Mas porquê definir um projeto? Porque ter um projeto (um objetivo claro do que queres alcançar) é a maneira mais natural e entusiasmante do ser humano aprender.

É verdade: o ser humano nunca aprendeu bem lendo manuais ou vendo vídeos de uma ponta à outra (porque, aí, a tua mente não percebe para que é que estás a tentar aprender o que estás a tentar aprender).

Pelo contrário, tendo um projeto, tendo um objetivo claro do que queres alcançar, a resposta é óbvia: tudo o que estás a aprender é para conseguir terminar o projeto e alcançar o teu objetivo (aí, a mente percebe o “para quê”, e percebendo o “para quê”, é muito mais fácil e entusiasmante aprenderes).

Por isso, o teu objetivo não pode ser apenas “quero aprender Inglês”, porque esse objetivo não é claro. Como é que saberás que atingiste o teu objetivo? Não sabes. E se o teu objetivo não é claro, então dificilmente saberás como lá chegar.

Isso é como tentar resolver um exercício de Matemática sem saber qual é a pergunta. Se não souberes qual é a pergunta, como saberás chegar à resposta? Não sabes!

No fundo, se não souberes o “queremos”, como é que saberás o “precisamos”? Pois é: não sabes!

Por isso, não digas “quero aprender inglês”. Em vez disso, cria um projeto que te obrigue a aprender inglês. Por exemplo:

  • “quero ler e perceber totalmente este livro ou este artigo em inglês”
  • ou “quero trocar mensagens em inglês com os meus parceiros de jogo”
  • ou “quero pedir comida num restaurante em inglês”.

Quando escolhes um “queremos” (um objetivo) tão claro como este, então fica muito mais fácil saberes o “precisamos” iou seja, aquilo que precisas de fazer para alcançar esse objetivo).

🗓️Precisamos: o que fazer para lá chegar?

Já tens um projeto, já tens um “queremos”. Mas agora o que é que “precisamos” para lá chegar?

Faz o teu projeto até encalhar!

Ora, a melhor maneira de aprender Matemática: é “faz exercícios até encalhar (e corrige imediatamente). E só quando encalhares revê a matéria.”

Por isso, a melhor maneira de fazer o teu projeto é “faz o teu projeto até encalhar (e corrrige imediatamente). E só quando encalhares, procura ajuda.”

  • Começa logo a trabalhar no teu projeto (não tentes aprender nada de novo). Porque enquanto conseguires avançar no teu projeto, é porque já sabes tudo.
  • Só quando não conseguires avançar, então sim: procura ajuda pesquisando no Google, YouTube, ChatGPT, cursos online, etc.
  • E não te esqueças do “corrige imediatamente” (porque só aprenderás a fazer bem se souberes que estás a fazer bem. Por exemplo, o ChatGPT é das melhores ferramentas para te fazer quaisquer correções de texto em várias inguas e linguagens de programação – é só lhe pedires).

Foi assim que aprendi tudo o que foi preciso para arrasar na universidade. Foi assim que aprendi tudo o que foi preciso para criar o meu canal de YouTube, o meu website e os meus livros. E foi assim que aprendi tudo o que foi preciso para hoje ter o conhecimento que partilho contigo.

Eu uso este método em todos os meus projetos. E muito mais gente também trabalha desta forma, porque lá está: esta é a maneira mais rápida e eficaz de aprenderes qualquer coisa na era da internet – basta teres internet e a vontade de fazeres o teu projeto – mais nada!

Faz o teu projeto logo ao acordar!

Já sabes como fazer. Mas agora: quando fazer?

O melhor é avançares o teu projeto todos os dias, logo depois de acordares e antes de consumires qualquer informação vinda do telemóvel, PC, TV, outras pessoas, etc, Esta é a altura em que terás a maior concentração. E o melhor de tudo? Depois ficas com o resto do dia livre para fazeres o que quiseres!

  1. Acorda: não consumas informação vinda do telemóvel, PC, TV, outras pessoas, etc (porque consumir informação logo de manhã faz o teu cérebro acordar por completo – “ondas beta”, impedindo-te de aproveitares as “ondas teta” que tens logo ao acordar e que ajudam imenso a concentrar).
  2. Avança o teu Projeto: Dá-te um tempo limitado. Por exemplo, liga um temporizador de 1 hora e, quando essa 1 hora acabar, paras imediatamente o que estás a fazer. Tendo esta escassez de tempo, irás sempre trabalhar com máxima rapidez, sem adiar ou perder tempo (ficando tu com mais tempo livre para o que quiseres!)
  3. Reflete e Planeia: Depois do temporizador tocar, reflete sobre o trabalho que acabaste de fazer (pensa, ou melhor ainda, escreve): como é que sentias ANTES, DURANTE e DEPOIS de avançares no teu projeto? Depois de refletires, então planeia o que vais fazer no dia seguinte para avançares o teu projeto.
  4. Resto do dia: faz o que quiseres!

É claro que podes avançar o teu projeto às horas que puderes e quiseres (afinal de contas, o grande objetivo de tudo isto é perceberes qual é a rotina ideal para ti). Eu apenas recomendo que seja a primeira coisa que fazes, porque é quando o cérebro está biologicamente mais apto a concentrar-se (graças às “ondas teta” que só tens logo depois de acodares) e porque é a altura em que é mais fácil não teres distrações (outras atividades, convites, mensagens, etc.)

E não: a parte de refletir e planear não é opcional. De facto, é a parte mais importante! Refletir é essencial para perceberes se estás a fazer algo que gostas ou não, e para melhorares constantemente a tua forma de trabalhar. E planear é essencial para poderes acordar no dia seguinte e começar logo a trabalhar, porque sabes exatamente o que tens a fazer (experimenta começares o dia sem ter um objetivo claro do que vais fazer e perceberás que isso não resulta).

Quando dominares a mini-rotina acima, poderás também adicionar outros bons hábitos à tua rotina:

  • Sono: Acorda todos os dias à mesma hora, sem alarmes. Para isso, o mais fácil é deitares-te todos os dias à mesma hora (e para isso, ajuda imenso teres uma rotina noturna, ou seja, uma sequência de ações que fazes para te preparares para deitar). Com um bom sono, à mesma hora e sem alarmes, vais reparar que acordas de manhã com muito mais energia e concentração (e o teu dia corre muito melhor!)
  • Outros hábitos: melhor alimentação, exercício físico, meditação, etc. Cada um destes excelentes hábitos melhorará toda a tua experiência de vida. Acima de tudo, experimenta!

Com isto, tens uma rotina extremamente equilibrada, em que estás sempre a avançar o teu projeto, ao mesmo tempo que tens imenso tempo para fazeres o que quiseres.

Mas mais importante de tudo, esta rotina permite-te perceber o que gostas e não gostas, de forma a aproximares-te cada vez mais da tua rotina ideal.

🏋️Temos: Como começar já?

Hoje? Planeia apenas!

Agora que já sabes tudo, só falta o mais importante: começares já!

E não: não precisas de começar no teu projeto já hoje! Hoje, a tua grande missão é planeares o que vais experimentar amanhã.

Já sabes: pensa no que gostarias de experimentar, transforma-o num projeto e planeia o teu primeiro passo para avançar esse projeto.

Pensa só no próximo passo

Tal como nos exercícios de Matemática mais difíceis, tu não vais saber imediatamente todos os passos para alcançar o teu objetivo.

Mas o que saberás sempre é o teu próximo passo. De certeza que há alguma coisa que podes fazer agora para avançar o teu projeto. É exatamente isso que farás amanhã.

E no fim de fazeres isso amanhã, vais ver que já saberás o que fazer no dia seguinte, já saberás o teu próximo passo.

Continua a pensar só no teu próximo passo e a fazer esse próximo passo e quando deres por ti já terás alcançado o teu objetivo!

Por isso, de que é que estás à espera? Planeia já o que queres experimentar amanhã!

Qualquer dúvida que tenhas, volta aqui!

E lembra-te: a hora de experimentares, descobrires e criares a vida que queres ter começa agora! 😁🔥

➤Trabalha agora para nunca mais teres de trabalhar (Independência Financeira para todos)

Na vida, só quero uma coisa: ser totalmente livre para ter a vida que quero. E enquanto procurava essa liberdade, cheguei à conclusão: “Um ser humano não é livre enquanto tiver de trabalhar para ganhar dinheiro”

Tanto que a maioria de nós gasta a maior parte das nossas vidas presos ao nosso trabalho, que muitas vezes nem gostamos e onde não somos valorizados. Tudo isto porquê? Porque temos de trabalhar para ganhar dinheiro

Mas será que temos mesmo de trabalhar para ganhar dinheiro? 🤔

E pensando bem, percebi que havia uma alternativa: bastava eu agora criar um produto digital para vender, e a partir daí, esse produto estaria-me sempre a ganhar dinheiro, sem eu ter de fazer mais nada (o chamado “rendimento passivo”). 

No fundo, o segredo é: trabalha agora para que nunca mais tenhas de trabalhar na tua vida. 

E foi isso que fiz: criei um livro digital de Matemática em 2022, e só no primeiro ano de vendas, já ganho dinheiro suficiente com o livro para me sustentar todo o ano. 

Ou seja, já atingi a tão desejada independência financeira, ou liberdade financeira, ou FIRE. Ou seja, a partir de agora, só trabalho se quiser, porque o meu livro já me dá o salário que preciso sem eu ter de fazer nada.

E eu quero que também tu consigas o mesmo. Quero que também tu atinjas a tua independência financeira, para que também tu possas ser livre para criares a vida que queres ter. 

Por isso, agora, vou-te explicar passo a passo o caminho mais fácil para atingires a tua independência financeira. 

E este caminho está ao alcance de todos, não interessa a tua idade, não interessa se estudas ou trabalhas, não interessa quanto tempo livre tens. Porque isto demora tão pouco tempo que conseguirás fazer isto em qualquer altura.

E o melhor de tudo? Podes começar já! 😁🔥

Por isso, vamos lá ver como!

💵Negócio? É Produto e Marketing!.

Um negócio de sucesso só precisa de 2 coisas: produto e marketing (ou seja, de algo para vender, e um meio para o divulgar).

  • Marca de Sapatilhas:
    • Produto: “Sapatilhas”
    • Marketing: “Anúncios na Televisão”
  • Escritor:
    • Produto: “Livro”
    • Marketing: “Editora de Livros”
  • Eu:
    • Produto: “Livros Digitais de Matemática”
    • Marketing: “YouTube”

🧠Queremos? Conhecimento e Audiência!

Mas o problema de muitos negócios é que requerem muito tempo e muito trabalho para ganhar pouco dinheiro.

E então, eu perguntei-me: “qual é a maneira de ganhar muito dinheiro gastando o mínimo de tempo e de trabalho?” 🤔

Só precisas de 2 coisas: conhecimento e audiência. No fundo, o teu produto vai ser o teu conhecimento (vais criar um produto digital). E o teu marketing vai ser a tua audiência (vais construir uma audiência nas redes sociais).

  • Eu (licenciado em Matemática e ex-explicador):
    • Conhecimento: “Livros Digitais de Matemática”
    • Audiência: “YouTube”
  • Músico
    • Conhecimento: “Áudio Digital com Música para Relaxar”
    • Audiência: “TikTok”
  • Qualquer pessoa
    • Conhecimento: “Curso em vídeo sobre como fazer o teu trabalho”
    • Audiência: “Instagram”

Vendendo o teu conhecimento atra vés de um produto digital, não gastas tempo nem trabalho a lidar com encomendas, faturação, transporte, stock, etc. (porque é tudo digital e automático). e os teus gastos são mínimos (por isso quase todo o dinheiro que ganhas vai para o teu bolso). Ou seja, precisas de muito menos clientes para atingir o teu salário desejado!

E construindo uma audiência nas redes sociais, tens um conjunto de potenciais clientes que podes contactar a qualquer altura e de forma totalmente grátis. Assim, não precisas de pagar por anúncios (mais dinheiro fica no teu bolso) e não precisas da “autorização” ou aprovação de ninguém (por exemplo, aprovação da editora para publicar livros, ou de discográfica para publicar música). Ou seja, com uma audiência, podes começar a vender já!

📝Precisamos? Resolve e Relata!

Queremos conhecimento e audiência. Mas agora qual é a maneira mais fácil de ganharmos conhecimento e construírmos uma audiência? 🤔

Só precisas de 2 coisas: resolve e relata. No fundo, resolve os teus problemas, e relata como os resolveste nas redes sociais.

  • Foste 1 semana de férias
    • “Como planeio as minhas férias”
    • “Como consigo os melhores preços”
    • “O que levo na mala de viagem”
    • “Sítios e Atividades que recomendo “
  • És aluno (em tempo de escola)
    • “Como estudo para os testes”
    • “A minha rotina em tempo de escola”
    • “Como lido com os professores”
    • “Os meus resumos de certas matérias”
  • És Professor ou Explicador (em tempo de escola)
    • “Como planeio as aulas”
    • “Que recursos mais uso”
    • “Como lido com alunos”
    • “Como explico certas matérias”
  • Qualquer Pessoa
    • “Qual é a minha rotina num dia normal”
    • “Como lido com colegas”
    • “Como fazer bem o meu trabalho”
    • “Como arranjo tempo para mim”

Ao resolveres os teus problemas, estás sempre a ganhar conhecimento. E ao relatares as tuas soluções nas redes sociais, estás sempre a construir a tua audiência.

Se pensares bem, o que estás a criar é um manual de instruções de como tu vives a tua vida. 🤩

Mas porque “resolve e relata” é tão bom?

Porque:

  • é o conteúdo mais fácil e melhor que podes criar (porque tu falas por experiência própria, que é bem mais fácil do que inventar e é o que a audiência procura)
  • gasta-te pouquíssimo tempo e trabalho (porque vives a tua vida normalmente, e sempre que resolveres um problema, relatas rapidamente como o resolveste nas redes sociais – só isso)
  • dá-te super memória (porque se alguma vez te esqueceres como planeavas as tuas férias, ou qual era a tua rotina em tempo de escola ou trabalho, etc, então basta ires às tuas redes sociais e tens lá todas as respostas!)
  • muda como o teu cérebro funciona (porque tu começas a ver tudo em termos de problemas e soluções, que é a mentalidade que precisas para aprender rapidamente com a tua experiência de vida e ter sucesso em qualquer área)
  • pode-te levar à independência financeira (porque estás sempre a crescer o teu conhecimento e a tua audiência, por isso chegará uma altura em que só os teus produtos digitais já são suficientes para te sustentar – e a partir daí, estás livre para teres a vida que queres!)
  • resolverá todos os problemas da humanidade (porque para qualquer problema que tenhas, encontrarás sempre um “amigo da internet” que já teve esse problema, que o resolveu e relatou a solução. Ou seja, pela primeira vez na história da humanidade, já não teremos de resolver os nossos problemas sozinhos! Porque teremos sempre um “amigo da internet” para nos ajudar! Ou seja, a humanidade agora precisa de todos os “amigos da internet” que possa arranjar – incluindo tu! 😉💪)

📈Temos? Curto, Longo, Produto!

Precisamos então de “resolver e relatar”. Mas agora, que ferramentas temos para “resolver e relatar”? 🤔

Tens 3 ferramentas

  1. ▶️Conteúdo Curto (Vídeos de 1 min, Imagens, Texto curto) – TikTok, Twitter, Instagram, LinkedIn, etc.
  2. Conteúdo Longo (Vídeos de mais de 1 min, Podcast, Blog, Newsletter) – YouTube, Email, MailChimp, Website, LinkedIn, etc.
  3. 💵Produto Digital (Curso em Vídeo, Livro Digital, Áudio Digital, software, etc.) – Shopify, Hotmart, Udemy, Website com Woocommerce, etc.

Introduz as ferramentas uma de cada vez

  1. ▶️No início, começa só com conteúdo curto (para rapidamente ganhares prática e perceberes o que gostas e o que tem mais sucesso)
  2. ⏩Depois, cria também conteúdo longo (sobre os temas que mais gostas ou que tiveram mais sucesso no conteúdo curto)
  3. 💵E mais tarde, cria o teu produto digital (percebe os problemas mais comuns da tua audiência e cria um produto que resolva passo a passo um desses problemas. Cria apenas um “produto viável mínimo”, ou seja, uma versão simplificada do teu produto perfeito, e começa logo a vendê-lo. Com isto, percebes o interesse da tua audiência no teu produto, o que te ajudará a decidir se queres aperfeiçoar esse produto ou se queres tentar criar outro produto que venda melhor).

Para cada ferramenta, escolhe só 1 plataforma

No início, usa sempre só 1 plataforma para cada conteúdo: 1 plataforma para conteúdo curto, 1 plataforma para conteúdo longo e 1 plataforma para produto digital. Assim, focas-te no mais importante, que é criar o conteúdo e perceber o que resulta.

Quando já tiveres a vender bem, então sim, podes alargar para mais plataformas.

  1. ▶️Conteúdo curto atrai novas pessoas (e tem link para o teu conteúdo longo)
  2. ⏩Conteúdo longo mostra a essas pessoas que sabes do que falas (e tem link para o teu produto digital)
  3. 💵Produto digital resolve um problema dessas pessoas (e ganha-te dinheiro)

Exemplos

  • EU
    • ▶️Curto: não fiz (provavelmente um erro e provavelmente vou começar)
    • ⏩Longo: “Resumos de Matemática, Resoluções de Exame e Dicas” no YouTube – com link para o meu produto digital
    • 💵Produto Digital: “Livro Digital de Matemática” no meu Website com Woocommerce (vendi “produto viável mínimo” na Hotmart em 2021 e vendeu bem, por isso aperfeiçoei o livro e lancei a versão melhorada em 2022).
  • PROFESSOR OU EXPLICADOR
    • ▶️Curto: “Resolves e relatas” no TikTok – com link para o teu conteúdo longo
    • ⏩Longo: “Resumos da matéria” no YouTube (porque foi o que teve mais sucesso no TikTok) – com link para o teu poduto digital
    • 💵Produto Digital: “Livro Digital de Provas-Modelo” no teu Website com Woocommerce (primeiro, experimentaste vender “exercícios”, mas vendeste pouco. Depois, experimentaste vender “provas-modelo” e vendeu melhor, por isso criaste mais provas-modelo.)
  • ALUNO
    • ▶️Curto: “Resolves e relatas” no Instagram – com link para o teu conteúdo longo
    • ⏩Longo: “Dicas de Estudo e Produtividade” numa Newsletter pelo Mailchimp (porque foi o que teve mais sucesso no Instagram) – com link para o teu produto digital
    • 💵Produto Digital: “Curso em Vídeo sobre Como ser um Bom Aluno Passo a Passo” na Hotmart (primeiro, experimentaste vender “resumos da matéria”, mas não vendeu. Depois, experimentaste um “mini-livro digital de como ser um bom aluno passo a passo”, mas não vendeu. Depois, partilhaste as mesmas dicas, mas num mini-curso em vídeo e vendeu bem, por isso melhoraste esse curso em vídeo)
  • QUALQUER PESSOA
    • ▶️Curto: “Resolves e relatas” no Twitter – com link para o teu conteúdo longo
    • ⏩Longo: Podcast “Descrevendo o meu trabalho com colegas e família” no YouTube (porque foi o que teve mais sucesso no Twitter) – com link para o teu produto digital
    • 💵Produto Digital: Curso em Vídeo “Como ter sucesso a fazer o que eu faço passo a passo” no Udemy (estavas sempre a receber mensagens de pessoas que queriam ser como tu, por isso criaste rapidamente um curso em vídeo, sem grandes edições ou efeitos especiais, para responder a todas as perguntas. O curso vendeu tão bem que agoras queres melhorá-lo.)

⏱️Começa já!

Já sabes: conteúdo longo e produto digital será para depois. Por agora, é só começares a “resolver e relatar” com conteúdo curto!

E eu quero-te ajudar ao máximo, por isso, quando começares a criar conteúdo de qualidade, envia-me um email, e eu divulgarei o teu conteúdo em todo o lado! 😁❤️

Lembra-te: o caminho para atingires a tua liberdade financeira, para teres a vida que queres ter e revolucionares a humanidade começa agora!

Por isso, de que é que estás a espera? Escolhe já a tua rede social favorita para conteúdo curto e começa a “resolver e relatar” já! 😁🔥

➤ Do Primeiro Emprego à Liberdade Financeira (Funcionário, Freelancer ou Empresário)

Agora, vou-te responder a duas grandes perguntas:

  • Como é que podes começar já a ganhar mais dinheiro no teu emprego atual?
  • Que passos é que tens de dar, partindo do teu emprego atual, para alcançares a liberdade financeira? (ou seja, ganhares um salário trabalhando nada ou quase nada?)

Para isso, percebe primeiro que há 3 grandes tipos de emprego:

  • ser funcionário (ou seja, tens um patrão)
  • ser freelancer (ou seja, és o teu próprio patrão e vendes os teus serviços)
  • ser empresário (ou seja, és o teu próprio patrão, talvez tendo uma empresa, e vendes os teus serviços ou produtos).

Por exemplo, um professor é um funcionário, um explicador é um freelancer e um criador de conteúdo digital é um empresário.

Para cada uma destes 3 tipos de emprego, vou-te listar as suas vantagens e desvantagens, vou-te dizer a melhor estratégia para ganhares cada vez mais dinheiro dessa maneira, e vou-te explicar passo a passo como podes gradualmente mudar de ser funcionário para ser freelancer, e de ser freelancer para empresário (e aí conseguires atingir a liberdade financeira).

E no fim, vou -te explicar como decides o melhor caminho para ti.

🫡Tipo 1: Funcionário (empregado/colaborador)

Se alguma vez pensaste em ter um emprego, provavelmente seria a trabalhar por conta de outro. Afinal de contas, é o que todos fazem!

Porém, trabalhar por conta de outro é como viajar naquelas excursões pré-planeadas. É bom porque não decides nada. E é mau porque não decides nada.

✅As vantagens

  • Não decides nada (só tens de chegar à hora e esperar que te digam o que fazer).
  • Tens um salário fixo (importante se precisares desse salário para pagar as contas do mês).
  • Não há mecanismos para te recompensar pelo teu esforço extra (se quiseres fazer o mínimo de esforço, não serás penalizado de forma alguma. Isto é perfeito se quiseres começar um negócio ou outro projeto nos tempos livres)

❌As desvantagens

  • Não decides nada (provavelmente passarás todos os dias com colegas, horários e tarefas que não gostas muito).
  • Tens um salário fixo, que normalmente demora anos para ser aumentado (se alguma vez aumentar!). Isto dificulta fazeres grandes i nvestimentos como carro, casa, etc.
  • Não há mecanismos para te recompensar pelo teu esforço extra (terás de ser tu próprio a garantir que o teu esforço é recompensado, usando-o como arma de negociação)
  • Só ganhas dinheiro enquanto trabalhares. No momento em que deixas de trabalhar, deixas também de ganhar dinheiro.

↗️Como ter sucesso e evoluir neste meio

Há 2 grandes maneiras de evoluíres trabalhando por conta de outro: ou mudares para um trabalho melhor, ou negociares melhores condições no teu trabalho atual

Esta estratégia permitie-te fazeres os dois ao mesmo tempo:

  • Escolhe trabalhos em que podes negociar o teu salário, horários, etc, diretamente com o teu patrão (sem teres de passar por processos burocráticos enormes). Assim é muito mais fácil teres o que queres. Se necessário, pergunta sobre isto nas entrevistas de emprego.
  • Nos tempos livres, está constantemente à procura de trabalhos melhores e candidada-te a todos, mesmo que aches que não tens hipóteses (com sorte, ficas mesmo com o trabalho! E, se isso acontecer, muda imediatamente, mesmo que tenhas de indemnizar o patrão).
  • No trabalho, aprende ao máximo e ganha o máximo de contactos (ser-te-á útil pela vida fora, mesmo depois de saíres desse trabalho).
  • Faz sempre um trabalho exemplar e estabelece boas relações com todos (assim, terás fortes argumentos quando quiseres negociar salário, horários, etc. com o teu patrão)
  • Negoceia regularmente o teu salário, horários, etc. (a cada 1-6 meses):
    • Faz as contas: quanto custas à empresa e quanto lucras à empresa?
    • Apresenta uma proposta concreta do que queres (aumento, horário diferente, etc.)
    • Como argumentos, sublinha o facto de seres difícil de substituir (encontrar alguém como tu), de lucrares mais à empresa do que custas (mostra as contas que fizeste) e outros fatores a teu favor (ilustra sempre com exemplos concretos de situações que aconteceram).
    • Termina com: “se não for possível, vou ter de considerar outras opções.” (uma maneira subtil de dizeres que poderás sair se não tiveres o que queres).

No fundo, salta sempre para a melhor oportunidade seguinte. E até teres essa oportunidade, vai negociando melhores condições com o teu patrão.

🚀Como passar ao nível seguinte

  • Escolhe um trabalho que te dê o máximo de tempo livre (e que desgaste pouco a tua mente). Para isso, reduz ao máximo as tuas responsabilidades no teu trabalho (ou muda de trabalho)
  • Nesse tempo livre, começa o teu próprio negócio (vende um produto ou serviço, e atrai clientes localmente ou pelas redes sociais). Como já tens experiência e contactos, é muito mais fácil começar!
  • Com o tempo, já ganharás um bom salário com o teu negócio e poderás deixar o teu trabalho por conta de outro quando quiseres!

💸Tipo 2: Freelancer (prestador de serviços)

Um freelancer trabalha por conta própria. Ou seja, um freelancer é o seu próprio patrão.

O que um freelancer vende é um serviço (por exemplo, explicações, consultas, etc.).

Seres o teu próprio patrão é como planeares a tua própria viagem. É bom porque decides tudo. E é mau porque decides tudo.

✅As vantagens

  • Decides tudo (trabalhas quando queres, onde queres, no que queres, com quem queres, pelo preço que queres)
  • O teu salário não é fixo – para aumentares o teu salário, basta trabalhares mais horas ou aumentares o teu preço (ou seja, todo o teu esforço extra é recompensado)

❌As desvantagens

  • Decides tudo (tens de definir os teus horários, as tuas tarefas, o teu preço, lidar com o cliente, divulgar os teus serviços e fazer os serviços)
  • O teu salário não é fixo – o que pode complicar a tua situação caso precises desse salário para pagar as contas do mês (o período mais crítico são as primeiras semanas até ganhares a base inicial de clientes. A partir daí, desde que tenhas a qualidade e a simpatia, o teu salário deverá sempre subir)
  • Só ganhas dinheiro enquanto trabalhares. No momento em que deixas de trabalhar, deixas também de ganhar dinheiro (porque um freelancer é alguém que ganha dinheiro vendendo o seu tempo. E no momento em que deixas de vender o teu tempo, deixas também de ganhar dinheiro).

↗️Como ter sucesso e evoluir neste meio

Como freelancer, há 2 maneiras de aumentares o teu salário: ou trabalhas mais horas ou aumentas o teu preço.

A estratégia seguinte mostra como combinar as duas.

  • Decide o número de horas que queres trabalhar por dia (de que horas a que horas?).
  • Oferece um serviço excelente ao cliente e com uma simpatia que o cliente nunca sentiu antes (assim garantes que o cliente quererá voltar e que te recomendará a todos os seus amigos e familiares).
  • Para ganhares os primeiros clientes, usa o poder do grátis: oferece os teus serviços gratuitamente (idealmente, 3 sessões gratuitas, para a pessoa ficar tão habituada ao teu serviço que estará disposta a pagar para continuar). O bom de ofereceres um serviço gratuito é que podes experimentar e errar à vontade (porque as expectativas são baixas) e terás sempre a possibilidade de ganhar clientes fiéis.
  • Cria um processo para divulgares facilmente os teus serviços: escolhe as redes sociais que os teus clientes mais usam e divulga lá por exemplo, fotos com o “antes” e “depois” de cada cliente, ou vídeos a explicar passo a passo os teus serviços, etc). Idealmente, só de ver as tuas redes sociais, a pessoa já se conseguiria perceber a tua personalidade, imaginar-se a receber os teus serviços e a ter os resultados desejados.
  • Quando o teu número de clientes preencher o teu horário quase por completo, aumenta o teu preço (SIM! VALORIZA-TE!) E não: os clientes não se irão todos embora. De facto, a maioria dos clientes continuarão a usar os teus serviços (porque para eles, continua a ser um preço justo pelo serviço excelente que lhes dás). Este aumento de preço naturalmente reduzirá o número de clientes, sem tu teres de rejeitar nenhum (e só deixará os melhores e mais fiéis clientes). Com isto, vais ganhar o mesmo trabalhando menos, o que te dará mais tempo livre para aceitares novos clientes ou começares outros projetos.

No fundo, vai acumulando clientes até teres o horário cheio. E quando tiveres o horário cheio, aumenta os preços.

🚀Como passar ao nível seguinte

  • Vai chegar uma altura em que o teu preço já te permite ganhar o suficiente para viveres trabalhando muito menos horas. Usa isto para teres o máximo de tempo livre.
  • Nesse tempo livre, começa a criar o teu primeiro produto (por exemplo, um curso em vídeo, um livro digital ou um aúdio digital).
  • Lembra-te: tu já és um especialista na tua área. Sabes qual é o teu público-alvo, sabes os problemas que eles querem resolver e tens vindo a desenvolver um processo para resolver esses problemas. Esse processo é o teu produto (agora é só decidires a melhor maneira de ensinar esse processo a um iniciante).
  • E não esperes para ter o produto perfeito para começares a vender. Em vez disso, cria rapidamente um “produto viável mínimo” (ou seja, uma versão simplificada mas ainda comercializável do teu produto perfeito) e começa a vendê-lo imediatamente. O objetivo é receberes feedback dos clientes o mais cedo possível, para começares a ajustar o produto o mais cedo possível (assim, terás um produto de sucesso o mais rapidamente possível!)
  • Usa a tua base de clientes e redes sociais para divulgares o teu primeiro “produto viável mínimo” e pedires feedback (até podes oferecer a clientes como parte do serviço, em troca desse feedback)
  • Com o tempo, chegará a uma altura em que já ganhas um bom salário só com os produtos que vendes. E quando essa altura chegar, podes deixar de trabalhar como freelancer quando quiseres!

🧑‍💼Tipo 3: Empresário (Patrão)

✅As vantagens

  • Decides tudo (trabalhas quando queres, onde queres, no que queres, com quem queres, pelo preço que queres)
  • O teu salário não é fixo (e é mais fácil de aumentar) – para aumentares o teu salário, basta aumentares o preço do produto, ou aumentares o números de vendas, ou aumentares o número de produtos.
  • Ganhas um salário trabalhando muito poucas horas ou nenhuma (só tens de gastar tempo em atendimento ao cliente, redes sociais e atualização do produto. E quase tudo isto pode pode ser delegado para gastares ainda menos tempo).

❌As desvantagens

  • Decides tudo (tens de definir os teus horários, as tuas tarefas, o teu preço, lidar com o cliente, criar os teus produtos e divulgar os teus produtos)
  • O teu salário não é fixo – o que pode complicar a tua situação caso precises desse salário para pagar as contas do mês (o período mais crítico são as primeiras semanas ou meses até teres um produto que as pessoas queiram comprar e um meio de divulgação para chegar a essas pessoas. A partir daí, desde que continues a divulgar o produto e a oferecer um ótimo apoio ao cliente, o teu salário deverá sempre subir)
  • Precisas sempre de duas coisas: um produto que outros queiram comprar e um meio de divulgação (Para teres um meio de divulgação, podes pagar por publicidade ou publicar conteúdo num site, blog ou rede social. Para teres um produto que outros queiram comprar, tens de perceber o teu público-alvo e os seus problemas, depois criar um “produto viável mínimo” que resolve esses problemas, testá-lo no mercado e ir ajustando-o)

↗️Como ter sucesso e evoluir neste meio

  • Começa a criar uma audiência o mais cedo possível. Se já começaste como freelancer,é só expandires a clientela e audiência que já tens. Se não, resolve os problemas que enfrentas diariamente e partilha como os resolveste na tua rede social preferida. Naturalmente irás atrair uma audiência. E isto é algo que podes começar já a fazer mesmo que não estejas a trabalhar! Mais informações no capítulo “Trabalha agora para nunca mais teres de trabalhar”)
  • Cria um produto que as pessoas queiram comprar
    • Se já fores freelancer, identifica o problema mais comum dos teus clientes e que eles estejam mais dispostos a pagar para ver resolvido. Pega na tua solução habitual para esse problema que usas nos teus serviços e transforma-a em vídeo, livro ou áudio. Logo que tenhas um “produto viável mínimo”, começa a vendê-lo, e mediante o feedback que recebes, então vai ajustando esse produto até teres o produto perfeito.
    • Se não fores freelancer, então à medida que vais construindo a tua audiência, identifica os seus problemas e questões mais frequentes. Escolhe o problema que achas que a tua audiência estaria mais disposta a pagar para ver resolvido (e para o qual tens uma boa solução, por experiência própria). Cria o teu “produto viável mínimo” (vídeo, livro ou áudio), começa a vendê-lo. E mediante o feedback que recebes, então vai ajustando esse produto até teres o produto perfeito.

🚀Como passar ao nível seguinte

Pelo menos em 2023, ainda não há nível seguinte. Mas há duas coisas que podes sempre fazer: criar um novo produto (para ganhares mais outro salário) e automatizar totalmente (para não gastares tempo nenhum).

Para automatizares totalmente:

  • Primeiro, elimina todas as tarefas que não são essenciais para o sucesso do negócio.
  • Depois, automatiza o máximo de tarefas (qualquer tarefa que possa ser feita por um programa de computador, deve ser feita por um programa de computador)
  • Por fim, delega as restantes tarefas que um programa de computador não consegue fazer (paga a freelancers ou contrata trabalhadores para fazerem essas tarefas)

Desde que os teus produtos te ganhem o suficiente para pagares os programas de computador e os freelancers ou trabalhadores, então muitos parabéns: estás livre! Oficialmente tens um salário, para sempre, e não precisas de fazer nada! WOW! 😁🔥

PS: É claro que o “para sempre” e o “fazer nada” têm muito que se lhe diga, mas é o mais próximo que conseguimos de “não fazer nada, para sempre” (e é bem próximo!)

Qual é o melhor caminho para ti?

Como vês, há 3 grandes maneiras de ganhares um salário (funcionário, freelancer e empresário), cada um com as suas vantagens e desvantagens. Agora, é pensares na vida que queres ter e no tipo de trabalho que mais se adequa a essa vida!

Mas quero-te lembrar de algo importantíssimo: podes começar por qualquer um dos 3 tipos de trabalho, e não precisas de experimentar os 3.

Por exemplo, eu nunca trabalhei por conta de outro. Logo que saí da universidade, trabalhei como freelancer uns 2 ou 3 meses dando explicações de Matemática. E depois deixei as explicações para me dedicar totalmente à criação de conteúdo (construir audiência) e â venda de produtos digitais (livros digitais de Matemática).

Eu tinha a certeza que queria definir os meus próprios horários e tarefas, por isso estava fora de questão trabalhar por conta de outro. E depois de experimentar explicações durante um tempo, cheguei à conclusão de que o que eu queria era focar-me totalmente nas criação de conteúdo e produtos digitais (e como não tinha contas para pagar, então pude dar-me ao luxo de começar logo por aí).

Embora só tenha começado há 1 ano a vender produtos, neste momento já ganho bem mais do que um ordenado mínimo. Se eu fosse a trabalhar por conta de outro, em Portugal, isto não seria possível. E nunca teria a liberdade que eu tenho agora para escolher o que quero fazer todos os dias.

É esta liberdade, que faz com que trabalhar por conta própria (especialmente vendendo produtos digitais) seja a escolha certa para mim.

E lembra-te: nenhuma destas escolhas tem de ser definitiva. De facto, se fores freelancer ou empresário, estás sempre a tempo de ser funcionário (só que agora terás um currículo excelente que te distinguitá de todos!)

E agora é a tua vez! Que vida é que queres ter? E qual é o tipo de trabalho que mais se adequa à vida que queres ter? Toca a experimentar e descobrir! 😁🔥

➤ Os meus Recursos mais Valorizados

Como é que esta decisão afeta os meus recursos mais valorizados? (vantagens vs desvantagens)

Recursos Limitados, que se vão gastando

Tempo de Vida

O nosso tempo de vida é limitado. Por isso, ao tomar decisões, considero sempre o impacto na minha vida toda (por exemplo, um bloco de notas em cima da mesa).

EXEMPLOS:

  • “Vale a pena gastar uma parte da minha vida nisto?”
  • Quanto mais oportunidades boas tenho à minha frente, mais exigentes têm de ser os meus standards (elevar a fasquia cada vez mais daquilo que vale e não vale o meu tempo e aceitar que certas maneiras de gastar o tempo que antes faziam sentido agora podem já não fazer).

Espaço Mental

Só podes pensar numa coisa de cada vez. Por isso, quanto mais pensares no que não interessa, menos pensarás nas ideias que podem melhorar a tua vida e a de todos.

Tudo o que fazes deixa uma impressão mental (memória) que pode voltar à superfície outra vez mais tarde.

EXEMPLOS:

  • Todas as experiências que faço é tentar mostrar que preciso menos do que faço.

Stress?/Paz de Espírito (Nº de requisitos por tempo?)

  • Já não jogo jogos: ocupam imenso espaço mental (porque mesmo depois de terminar de jogar, continuava a pensar imenso nos jogos)

Recursos Ilimitados, que se vão construindo

Conhecimento

O nosso conhecimento é o único recurso que ninguém nos pode tirar, que podemos sempre monetizar e que nos faz ser cada vez melhores a resolver problemas (nossos e dos outros).

Reputação/Confiança dos Outros em Mim

O tipo de pessoa que queres transmitir é uma pessoa totalmente alinhada com os teus próprios valores, totalmente autêntica.

Karma: tudo o que fizeres de bom voltará para ti mais cedo ou mais tarde.

Quanto mais presença na memória de todas as pessoas estiveres, mais influência tens (mais provável é os teus pedidos serem ouvidos, por mais ambiciosos que sejam).

Recursos secundários, menos importantes

Dinheiro

  • É apenas consequência inevitável do conhecimento e reputação (fácil converter conhecimento e reputação em dinheiro a qualquer altura).

➤ Os meus Princípios de Decisão

Estas são as características de boas jogadas/decisões.

Natural

FACTO: As leis da natureza (psicologia, física, etc.) são sempre mais poderosas do que qualquer lei artificialmente imposta ou qualquer força de vontade individual, por isso, a longo prazo, vencem sempre e são as principais responsáveis pelos resultados.

SOLUÇÃO: Queres um resultado? Então cria as circunstâncias que levam naturalmente a esse resultado (que vão sempre a favor das leis naturais)

EXEMPLOS:

  • Teorias em qualquer área de estudo: qualquer área de estudo deve ter sempre como base as leis naturais (por exemplo, educação, economia, política, etc, deve criar sempre as suas teorias tendo como base as leis naturais do comportamento humano e da biologia humana)
    • O meu principal objetivo é descobrir as leis naturais de cada área de estudo, de forma a conseguir os resultados que quero com o mínimo de esforço e da maneira mais definitiva
  • Mudar Comportamento: Cria o ambiente (pessoas, objetos, local, crenças próprias) que te faz naturalmente teres os comportamentos que queres
  • Influenciar Pessoas: Cria uma vontade própria nas outras pessoas que as faz naturalmente fazerem o que tu queres
  • Criar Sistemas: Ações únicas têm quase nenhum efeito nos resultados a longo prazo. O que causa a maioria dos resultados são os sistemas que foram colocados (e a sua organização). Por exemplo, o efeito a longo prazo de um post a dizer “vejam este vídeo” é muito menor do que a organização de um canal de YouTube, website ou estratégia de marketing.
    • Um vídeo com imensa qualidade e procura será encontrado pelos algoritmos mais cedo ou mais tarde.
  • Pensar: pensar tal como o cérebto naturalmente pensa (Mapas Mentais, Queremos? Precisamos? Temos?, etc.)
  • Mostrar Perspetiva Equilibrada de tudo: sempre sublinhando as vantagens e desvantagens de cada coisa (porque qualquer realidade tem vantagens e desvantagens)
  • Há que aceitar as leis da natureza (é inútil pensar “porque é assim?”). Temos é de nos focar em fazer o melhor que podemos dadas essas leis.
    • Torna-o numa característica/vantagem: Por exemplo, eu, ao criar os meus livros em pdf, podia preocupar-me com a partilha do pdf entre pessoas. Ou podia fazer como eu fiz, que é aceitar que a partilha do pf é inevitável e pensar como é que eu posso aproveitar esse facto para minha vantagem. Decidi então colocar links em todas as paginas para os meus vídeos e outros recursos, para garantir que a pessoa encontra todos os meus outros recursos. E aliás, quem beneficiou de um livro gratuitamente poderá mais tarde retribuir comprando livros pagos ou simplesmente continuando a acompanhar o meu trabalho (melhorando-se a si próprio, beneficiando assim o mundo em geral e assim também beneficiando a mim indiretamente).

NOTA: Para isto, tens de perceber as leis naturais (princípios do comportamtento humano, física, funcionamento de sistemas, etc.)

Invariante (Incondicional, Controlo)

FACTO: A única certeza é a mudança, que é impossível prever. Nada é para sempre, e nada acontece como tu queres.

SOLUÇÃO: Cria uma estratégia que funciona independentemente do que acontecer (ou seja, com o mínimo de requisitos necessários para funcionar)

EXEMPLOS:

  • O mais poderoso é quem não precisa de nada (é o mais livre, controlado apenas por si próprio e não por nenhum fator externo, livre de influências)
  • Regra dos 2 (“tem sempre 2 cópias de qualquer objeto ou informação importante”): tendo 2 cópias, para falhar, é preciso que as 2 coisas falhem ao mesmo tempo, que é muito mais improvável (guarda dados em 2 lados, usa autenticação de 2 passos, tem 2 talheres de cada, etc.)
  • Ama tudo o que acontece: se já aconteceu, é inútil alterares-te psicologicamente (não vais resolver nada. Pelo contrário, só farás com que seja mais difícil pensares com clareza e encontrares racionalmente uma solução).
  • Age independemente das circunstâncias externas: cria a intenção “aconteça o que acontecer, vou executar sempre” (independentemente de onde estás, com quem estás, como te sentes, etc.)
    • Sê autêntico (estejas com quem estiveres)
    • Trata as pessoas incondicionalmente (trata as pessoas sempre da mesma maneira, independentemente de como elas te tratem, do seu aspeto físico e qualquer outra ação ou característica sua)
  • Decisões: como tomar esta decisão de forma que todos os resultados sejam bons para mim? (Normalmente, falhar significa aprender. E sucesso significa aprender e outros benefícios extra. Por isso, normalmente escolho projetos de acordo com aquilo que eu quero aprender).
  • Constrói o teu conhecimento: o teu conhecimento é a única coisa que ninguém te tira (mesmo que na vida percas tudo, o teu conhecimento fica) e torna-te melhor a resolver os teus problemas em qualquer situação (e também a resolver os problemas dos outros, algo que podes monetizar sempre)
    • Aprende ao máximo
    • Controla totalmente o teu corpo (aumenta a destreza de mãos, pés, etc) – nunca se sabe quando dará jeito! Por exemplo, no secundário, comecei a treinar escrever sem olhar para o papel, que por acaso depois me deu jeito quando eu queria escrever no meu caderno à noite com as luzes apagadas.
  • Curiosidade: haverá sempre algo para aprender, por isso haverá sempre algo interessante para fazer
  • Reduz as tuas necessidades ao máximo (por exemplo, agora já não preciso de cama para dormir bem – durmo bem no chão). Por isso:
    • estou mais preparado para tudo o que possa acontecer (caso tenha de dormir em algum sítio sem cama).
    • além disso, já não tenho de gastar tempo de vida em comprar cama, ter espaço para a cama e em limpar a cama (ou seja, mais tempo de vida para o que eu quero!)
  • Escolhe a decisão que deixa o máximo de opções em aberto.
    • Decisões Facilmente Reversíveis: Este curso online é grátis e posso desistir a qualquer altura, por isso vou experimentar (é facilmente reversível, ou seja, é fácil mudares de ideias mais tarde)
    • Aprender Capacidades Universais: vou aprender capacidades universais como inglês, escrita, psicologia, etc (porque faça o que fizer no futuro, vão-me sempre dar imenso jeito)
  • Máximo Controlo: eu coloco-me sempre em situações em que tenho muito controlo sobre todo o processo. Porque senão, estou a colocar o meu sucesso ou fracasso nas mãos de outras pessoas, sem que eu possa fazer nada acerca disso. De facto, muito burnout e depressão no trabalho vem exatamente disto: de teres maus resultados e de não puderes fazer nada acerca disso, porque as causas desses maus resultado não estão no teu controlo.
    • Nada de Intermediários
      • Exemplo: Trabalhar por conta própria. Não vou esperar que alguém que trabalha em editoras, etc, reconheça o meu valor (mas vou vender o meu livro diretamente a quem beneficia) – nada de intermediários.
      • Muitos outros trabalhos: investigadores nas Universidades estão dependentes de editores dos “jornais científicos”, atores estão dependentes das televisões, produtores estão dependentes dos grandes supermercados, etc. (e aquilo que realmente beneficia as pessoas dos dois lados – quem cria, e em quem recebe a criação, é esquecido)
    • Controlar e Não Controlar: na minha vida, foco-me só naquilo que eu posso controlar, ou seja, naquilo que eu posso mudar (que é a minha atenção e a minha ação). Tudo o resto, que eu não posso controlar, eu ignoro completamente: não penso nisso, não falo nisso, não estou atento a isso.

Definitivo

FACTO: Ignorar problemas ou resolver problemas à toa fará com esses problemas se repitam (gastandio assim mais espaço mental e tempo de vida no futuro). Nós rapidamente nos esquecemos do esforço ou do prazer das nossas ações, mas os resultados dessas ações ficam para a vida. Tudo o que fazemos de bom e de mau volta para nós mais cedo ou mais tarde.

SOLUÇÃO: Resolve os teus problemas agora de forma a nunca mais teres de te preocupar com eles no futuro (poupa-te tempo de vida e espaço mental futuro)

EXEMPLOS:

  • Faz bem desde o início (na altura/timing certo): Faz uma construção sólida desde as fundações. Não procures atalhos fáceis (não existem). Procura sim é maneiras mais fáceis de fazer todos os passos. “Tudo o que eu faço eu faço bem, porque algo bem feito dura e não traz chatices futuras”
    • Saúde: Bom sono, alimentação, gestão emocional, uso do corpo resolve e previne automaticamente quase todos os problemas de saúde
    • Fazer bem desde o início vs véspera: por exemplo, estudar um pouco ao longo do ano vs estudar tudo na véspera.:
  • Não fazer: a maneira mais fácil é total abstenção
  • Delegar: Delega só a pessoas que amam fazer esse trabalho. Só estas pessoas é que farão um trabalho bem feito à primeira, evitando-te problemas futuros e sem tu te teres de preocupar se o trabalho ficou bem feito. Quem não ama fazer o trabalho irá fazer um trabalho mal feito à primeira, que os obrigará a voltar depois para corrigir esses problemas, e terás de estar sempre preocupado se desta vez o trabalho ficou bem feito.
  • Automatizar: para atividades repetitivas que se tenham de fazer com regularidade:
    • determina uma hora para o fazer (por exemplo, 1 vez por semana)
    • determina ciclos (por exemplo, comer maçã num dia, laranja no outro, banana no seguinte, e depois repetir)
    • fazemos assim até que diga o contrário
    • vs ter de decidir todos os dias
  • Pensar como evitar no futuro: quando algum problema aconteça, pergunta-te sempre como é que podes evitar isso no futuro e começa a fazer isso
    • Resolver categorias de problemas: não tento resolver só o problema a minha frente mas todos os problemas semelhantes que possam aparecer
  • Amar tudo o que acontece: a única maneira definitiva de resolver o problema da felicidade
  • Resolver imediatamente: se o problema demora poucos minutos a resolver, resolve-o imediatamente (mais rápido e fácil do que obrigares-te a lembrar mais tarde, ou meteres no calendário, ou esqueceres-te)
  • Fazer por ti vs Ensinar: Não vou fazer por ti (porque assim teria de fazer sempre por ti). Mas vou ensinar-te (dá mais trabalho agora, mas assim nunca mais terei de me preocupar)
  • Comprar mais caro, mas bom: mais vale comprar sapatilhas de 50€ que duram 2 anos, do que sapatilhas de 40€ que duram 1 ano (25€ por ano é menos do que 40€ por ano e ainda teres de perder o tempo de vida para comprares umas sapatilhas novas)
  • Imagina consequências em toda a tua vida: posso resolver o problema agora, ou posso condenar-me a ter este problema toda a vida (cria essa imagem mensagem de tu a teres o mesmmo problema no futuro)
  • Tratar Sintomas vs Causa: Não resolvas os sintomas. Resolve a causa.
  • Resolver problemas mudando as circunstâncias vs tu: mudando as circunstâncias, é certo que mais tarde ou mais cedo as circunstâncias se vão repetir e tu terás o mesmo problema. Num caso extremo, vives toda a tua vida a tentar evitar essas circunstâncias. Ou então aprendes tu a lidar com essas circunstâncias e assim resolveste o problema de vez.
    • EX: Podes tentar a arranjar a única cadeira perfeita em que te consegues sentar ou podes treinar-te a sentar e sentir-te bem em qualquer cadeira. Na primeira, crias uma dependência àquela cadeira (e todas as tuas decisões são limitadas por isso). Na segunda, aprendes a usar bem o teu corpo e por isso estarás bem sentando-te onde for.
  • Não deixar ser impedido desconforto inicial: todos os pensamentos e sensações são temporários, mas os resultados ficam para o resto da vida
  • Sempre atento ao meu processo (para perceber melhor método): ao fazer qualquer tarefa, estou sempre atento para tentar perceber quais pensamentos e ações me permitem fazer a tarefa com mais rapidez e qualidade. A ideia é se eu identificar esses pensamentos e ações, então posso repeti-los cafa vez mais, para fazer tudo maior rapidez e qualidade. No fundo, ao fazer o que quer que seja,não esó estou a fazer isso, mas também estou atento a tentar perceber qual é a melhor maneira de fazer isso.

Exponencial e Escalável

FACTO: Sou só um. Como é que posso ter o máximo de impacto?

SOLUÇÃO: faz apenas aquilo que acumula cada vez mais benefícios no futuro (crescimento exponencial, “juro composto”) e que pode alcançar proporções maiores com o mínimo de trabalho extra (escalável)

EXEMPLOS:

  • Exponencial
    • Criar Vídeos e Artigos (cada novo conteúdo divulga todos os conteúdos já criados)
    • Vender Livros (cada novo livro é mais um salário que acumula com todos os salários dos meus outros livros)
    • Construir Audiência (cada novo membro da audiência pode continuar a ser membro e ainda atrair mais novos membros)
    • Construir Conhecimento (cada novo conhecimento acumula com o teu conhecimento anterior para criar combinações de conhecimento mais únicas e desejadas)
    • Sistemas Cumulativos (para inventar qualquer sistema, usar método científico: começar com um sistema, usá-lo e ir identificando problemas para ir ajustando)
  • Escalável
    • Vídeos, Artigos, Livros (dá o mesmo trabalho para mim se alcançarem 1 pessoa ou 1 milhão de pessoas)

Necessário e Insubstituível

FACTO: Esta vida tem tantas possibilidades! Mas o teu tempo de vida é limitado (não podes fazer tudo nesta vida). E o teu espaço mental é limitado (não podes pensar tudo nesta vida).

SOLUÇÃO: Pensa e faz só o absolutamente necessário para alcançares os teus objetivos (necessário). E escolhe objetivos que mais ninguém, ou muito poucos, conseguiria alcançar (insubstituível).

EXEMPLOS DE NECESSÁRIO:

  • Perguntas úteis
    • “Se tu morresses amanhã, o que farias?” (ajuda-te a perceber o que é realmente necessário)
    • “Esta possível ação vale mais o teu tempo do que as tuas ações atuais?” (ajuda-te a decidir o que é mais importante)
  • Necessário: cada ação que tu fazes (pessoa com que te relacionas, pertence que tens, tudo) tem de justificar a sua existência (ou será eliminada)
    • Comer: come apenas o absolutamente necessário
    • Pertences: tem o mínimo de pertences, porque cada pertence é um potencial desperdício de tempo e espaço mental (gasto a decidir onde colocá-lo, gasto a olhar para ele, gasto a planear e fazer a manutenção ou contactar quem arrange, gasto a arranjá-lo ou contactar quem arrange ou comprar um subsituto). Escolhe só os pertences que te ganham o máximo de tempo.
      • Descbrir pertences necessários: coloca todos os teus pertences em caixas e só arrumá-los de volta na tua casa quando os usares (vais ver que não usas a maioria dos teus pertences)
    • Pensamentos: Automatizar a maioria da vida, pensar só no que verdadeiramente importa e deixar tudo o resto passar ao lado (aparecer-te só pensamentos necessários)
  • Viver sem: Experimenta viver sem certa coisa (aí percebes facilmente se é realmente necessária ou não)
  • Tentar necessitar de cada vez menos (exemplo: dormir no chão, sem cama). 2 grandes razões:
    • Preparado para quaisquer circunstâncias futuras, por mais adversas que sejam (já sei exatamente o que absolutamente preciso e não preciso para “sobreviver”)
    • Maior liberdade e poupança de dinheiro em decisões futuras: quanto menos necessitares, mais facilmente te adaptas a viver em qualquer lado (por exemplo, ter de ter uma cama na tua casa é mais um requisito que limita as tuas possibilidades, enquanto que se és capaz de dormir no chão, então tens muito mais possibilidades)

EXEMPLOS DE INSUBSTITUÍVEL:

  • “O que é que só eu posso fazer?”
  • “Muitas outras pessoas podem/estão a fazer isso?” (Então não faças)
  • Eu não dar explicações: muita gente dá explicações de Matemática, mas pouca gente cria conteúdo de Matemática, por isso crio conteúdo (porque sou mais insubstituível a criar conteúdo).
    • A mesma coisa justifica eu não criar só conteúdo de Matemática, mas criar conteúdo que junta todo o meu conhecimento de Matemática, Comportamento e Biologia Humanos, Estratégia de Vida, etc. (porque sou mais insubstituível ao criar conteúdo que junta todo o meu conhecimento)

➤QUASE FEITO: O que ninguém te ensinou sobre o dinheiro (porque os ricos ficam ricos e os pobres ficam pobres)

  • Dinheiro é uma ferramenta – como qualquer ferramenta, há que saber como usar (e ver como é realmente)
  • Dinheiro é ilusão – só vale enquanto outros o aceitarem para trocar por produtos ou serviços
  • Para de pensar em euros – pensa em poder de compra
  • Quem benefícia é quem tem acesso ao dinheiro novo mais cedo (antes de o valor das coisas aumentar) — com ações, … benefícia quem não usa o próprio dinheiro
  • “Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males” – amor ao que é imafinário, em vvez do que é real – dar valor real às coisas

Relativamente ao dinheiro, há 3 tipos de pessoas:

  • Os que amam gastar
  • Os que amam poupar
  • Os que amam investir

Se amas gastar ou poupar, então, por mais que te esforces, nunca conseguirás ficar rico.

Porque só quando perceberes como o dinheiro realmente funciona e amares investir é que terás hipóteses de ficar rico.

Por isso, agora, vou-te explicar exatamente como o dinheiro funciona, para que possas perceber porque é que gastar ou poupar te farão pobre, mas investir te fará rico.

E claro, tudo isto virá com imensas dicas práticas para implementares já!

🛒1. Se Amas Gastar (Gastadão)

Se amas gastar, a primeira pergunta a fazer é: porquê? Porque é que gastas dinheiro nisto ou naquilo? Há várias possibilidades.

💎Tu és importante

Muitas vezes gastamos dinheiro para preencher um vazio que sentimos dentro de nós.

Quando eu tiver aquelas sapatilhas de marca, então gostarão de mim. Quando eu tiver aquele telemóvel, então gostarão de mim. Quando eu tiver aquele carro, então gostarão de mim. E aí, então, eu serei feliz.

E toda a gente à nossa volta quer-nos convencer disto: amigos, família, publicidades. Todos nos querem convencer de que temos um vazio dentro de nós, e que esse vazio desparecerá se comprarmos aquelas sapatilhas, aquele telemóvel, aquele carro.

Mas a verdade é que o dinheiro não vai resolver nenhum dos teus problemas internos.

E, de facto, tu nem tens nenhum problema interno! Apenas deixaste que te convencessem que tens um problema!

Porque a verdade é só uma: tu já és importante.

  • Porque não é o que tens que te torna importante.
  • Não é o que alcanças que te torna importante
  • Não é o que os outros acham de ti que te torna importante

Só o facto de existires já te torna importante (porque és a única pessoa neste mundo que pode controlar o teu corpo e a tua mente e usá-los da melhor forma para o benefício de todos).

Na verdade, não precisas de nada nem ninguém para te sentires importante. Basta convenceres-te a ti que és importante.

Para isso, a partir de agora, começa a pensar, dizer e escrever em todo o lado: “Eu sou importante. Faz isto e vais ver que:

  • vais-te começar a sentir importante
  • vais agir sentindo-te importante
  • e toda a gente vai-te tratar como a pessoa importante que és!

Por isso, começa já a pensar, dizer e escrever em todo o lado: “Eu sou importante! 😁🔥

🍞Compra só o necessário

Tu és daquelas pessoas que gasta o dinheiro todo logo depois de o receber? És daquelas pessoas que se receber 20, gasta 20, e se receber 1000, gasta 1000? És daquelas pessoas que gasta dinheiro impulsivamente em coisas que não necessitas e que acabas por nem usar?

Para isso, a melhor solução é comprares só o necessário.

Dizer é fácil. Mas na prática, como é que compras só o necessário?

Primeiro, faz uma lista daquilo que é realmente necessário para ti:

  • Normalmente, casa, comida e transporte.
  • Depois, alguma coisa importante para o teu bem estar físico e mental (mensalidade do ginásio, refeições fora, etc.)
  • E mais nada!

E quando tiveres a tua lista de necessários, tens 2 ótimas soluções:

  • Nunca compres nada que não esteja nessa lista (mesmo que tenhas dinheiro na carteira)
  • OU logo que receberes o dinheiro, deixa na carteira só a quantia que precisas para pagar os necessários (e guarda o resto noutro síto, longe da tua vista).

No fundo, depois de teres a tua lista de necessários, é muito mais fácil saberes onde gastar e onde não gastar.

E uma dica bónus: antes de comprares qualquer coisa impulsivamente, que não esteja na tua lista, pensa “ah, compro amanhã”. Muitas vezes, vais ver, que quando o amanhã chegar, afinal nem querias comprar aquilo! Ah, ah! Dinheiro poupado, bem jogado! 😁🔥

Treina este “ah, compro amanhã vezes suficientes e com o tempo vais ver que o cérebro vai deixar de te pedir para comprares coisas desnecessárias!

🎯Cria objetivos claros

É muito mais fácil não gastares o teu dinheiro em coisas desnecessárias, quando sabes que precisas desse dinheiro para outra coisa que realmente queres.

Por isso, cria um objetivo claro daquilo que queres. Para isso, basta completares a frase: “No dia …, quero ter …, para ….”

E quando já sabes o que queres ter, quando e para quê, então a magia acontece!

Por exemplo, imagina que “No dia 1/1/2025, quero ter um Ferrari, para levar para a universidade”. Da próxima vez que fores para comprar algo desnecessário, que não está na tua lista, imagina-te a gastar esse dinheiro e imagina-te dento do teu Ferrari, que se transforma num Mercedes, e depois num Fiat, e depois numa bicicleta, e depois num triciclo, à medida que que gastas mais e mais dinheiro em desnecessários.

Ou se o teu objetivo é uma casa com piscina, imagina-te na tua casa com piscina, que se transforma num apartamento apertado, depois numa cabana sem condições e depois numa casota minúscula, à medida que gastas mais e mais dinheiro em desnecessários.

Se quando pensares em comprar desnecessários, imaginares-te com o teu grande objetivo, que se transforma em algo pior e pior, então vai ser muito mais fácil comprares só o necessário!

Combinando este imaginar com o teu grande objetivo, sempre a ficar pior e pior com a tua lista de necessários e o ah, compro amanhã”, tens 3 ótimas técnicas para comprares só o necessário (e assim poupares imenso!)

🎨Sê um criador, não um consumidor

Mas comprar só o necessário torna-se muito muito mais fácil quando deixas de ter uma mentalidade de consumidor e começas a ter uma mentalidade de criador.

  • Um consumidor é uma pessoa que vê. Um criador é uma pessoa que faz
  • Um consumidor é uma pessoa que espera que as soluções venham. Um criador é a uma pessoa vai atrás das soluções.

A verdade é que, muitas vezes, gastamos dinheiro simplesmente porque não temos nada para fazer. E por isso, arranjamos uma ocupação: pensar naquilo que vamos comprar a seguir, ver tod

A maior revolução acontece quando deixas de pensar como um consumidor e começas a pensar como um criador. Não como a pessoa que vê mas como a pessoa que faz.

De onde vem o teui prazerFaz com que todo o teu entusiasmo venha de criar, e não de consumir. Aí será muito mais fácil

Outros mitos do gastadão

  • Paga mais só quando o melhor real
  • Ganhar dinheiro não é difícil e dinheirop não é escasso
    • Há imensas maneiras e não tens de escolher a maneira popular
  • Caro é “melhor”
    • Ou apenas estás a pagar mais por sensações psicológicas.
    • Aplicação para mostrar que és rico
  • Só por teres dinheiro, não o precisas de gastar imediatamente
    • Só necessário
    • Se eu tivesse x, compraria isto. Se tivessse y, compraria aquilo. Se tivesse z, compraria o outro. NÃO!!!!
    • Em vez de gastar, onde posso investir?
  • Consumir vs Investir (consumidor vs investidor/criador) (bom agora vs bom agora e no futuro)
    • Quem é rico, não gasta (especialmente no início).
    • “Urinar” dinheiro (quando compra álcool)
    • Consumidor = alguém que faz os outros ficar ricos, ficando pobre
      • Ex: futebol porquê tantos milhões? Porque há imenos “pobres” a pagar para eles ficarem ricos. Tu estás a ficar pobre para financiar esses negócios milionários no futebol.
    • Querer vs Precisar
      • Vida é cara (não). O absolutamente essencial não é assim tanto. Tu é que tens imensas despesas desnecessárias. “Necessidades Irrelevantes”
      • Únicas necessidades: comer e abrigo (o resto é opcional)
    • SOLUÇÃO: gasta só no que precisas (precisamos de muito pouco)

🏦Se Amas Poupar (Poupadinho)

Que gastar não te fará rico isso é óbvio. Mas o que não é tão óbvio é que poupar também não te fará rico!

E é aqui que tens de perceber como o dinheiro realmente funciona.

🛒Não interessa o número – interessa é o que podes comprar com esse número

Se eu no ano passado tinha 5€, e agora tenho os mesmos 5€, estou mais rico ou estou mais pobre?

A verdade é que só pelo número, tu não consegues saber se estás mais rico ou se estás mais pobre.

Porque não é o número que interessa. O que interessa é o que podes comprar com esse número.

Por exemplo, se no ano passado, 5€ dava para comprares 2 melões, mas agora 5€ só dá para comprares 1 melão, então estás mais pobre (porque os teus 5€ valiam 2 melões, mas agora só só valem 1 melão)

Por outro lado, se agora 5€ desse para comprar 3 melões, então estarias mais rico! (porque os teus 5€ valiam 2 melões, mas agora valem 3 melões!)

Conclusão? Não é o número que interessa. O que interessa é o que podes comprar com esse número.

Matematicamente, poderias resumir isto numa destas 2 fórmulas:

  • “Tua Riqueza = O que podes comprar com o teu número de €
  • OU ” Tua Riqueza = Número de € × O que cada € te consegue comprar”

↘️O dinheiro está sempre a perder valor…

E aqui entra o pormenor importantíssimo: no mundo em que vivemos, 5€ este ano não valem o mesmo que 5€ no próximo ano.

De facto, a tendência que se tem verificado é que 5€ este ano valem sempre mais do que os mesmos 5€ no próximo ano, que valerão sempre mais do que os mesmos 5€ no ano a seguir, e por aí fora

No fundo, o dinheiro está sempre a perder valor (cada vez vale menos!) Ou seja, se gastares os teus 5€ hoje, consegues comprar mais melões do que se gastares os teus 5€ no próximo ano.

↗️…porque os preços estão sempre a subir

Mas porque é que o dinheiro está sempre a perder valor? Porque os preços estão sempre a subir!

Ora aí está: se antes 1 melão custava 2.50€, mas agora 1 melão custa 5€, então antes os teus 5€ valiam 2 melões, mas agora só valem 1 melão!

Por isso é que os teus 5€ valem menos! Porque os melões estão mais caros!

E se os melões estão mais caros, então os teus 5€ agora compram-te menos melões (ou seja os teus 5€ agora valem menos).

Inflação: a taxa invisível

E é a este aumento geral dos preços que chamamos inflação.

É isso mesmo! Inflação é simplesmente este aumento geral dos preços.

Ou seja, quando dizemos que os preços estão sempre a aumentar, isso é o mesmo que dizer que estamos sempre em inflação!

Quando os preços sobem, todos se ajustam, menos os salários e as poupanças

Recapitulando, os preços estão a subir, por isso

E para onde vai parar o dinheiro? O dinheiro vai parar aos investimentoss (aos ricos!)

Produtos ajustam

Empresa ajustam

Salários aumentam em número, mas valem menos

Poupanças garantidamente valem menos

IDEIA CHAVE: No mundo, a cada altura, há uma quantidade limitada de produtos/bens e uma quantidade limitada de dinheiro. Cada produto tem o seu valor em dinheiro associado. Agora, imagina que é criado mais dinheiro sem criar mais produtos. O que tem de acontecer para se manter o equilíbrio? Cada produto tem de custar mais dinheiro. Ou seja, o dinheiro vale menos, porque tens de gastar mais dinheiro do que antes para comprar o mesmo. No fundo, o preço de cada coisa é igual à quantidade de dinheiro/crédito disponível a dividir pela quantidade de produtos/bens disponíveis para compra. (disponível ou gasto? qual é o mais correto?)

Fonte excelente (Ray Dalio):

(vale a pena rever: também tem outro conceito importante sobre equilíbrio entre dívidas e ganhos e 3 dicas importantes no final)

Ver mais tarde:

Ainda com receio em usar o dinheiro?

Se mesmo assim tem receio em gastar (ou tralvez até em ser rico), deixo-te aqui umas dicas.

Quando o teu salário é aumentado, tu provavelmente não estás a agnhar mais – estás apenas. É possível que o teu salário de 1000€ no ano passado comprarias mais do que com o teu salário de 1050€ este ano.

  • A TAXA INVISÍVEL – INFLAÇÃO. O dinheiro tende a perder o seu valor (porque os preços tendem a aumentar)
    • Ou governo imprime dinheiro, preços aumentam
    • Quando há pouca produção, preços aumentam
    • Quando aumentam salários ou custo de produção, preços tendem a aumentar
    • Ideia de imprimir mais dinheiro: Continuar a incentivar investidores a investir no mercado
    • Conclusão: Empresas safam-se porque podem aumentar os preços. Investidores safam-se porque agora as suas coisas valem mais. Tu lixas-te porque não podes decidir ajustar o teu salário à inflação.
  • “Inflação” (relação entresalário e custo de vida)
  • Quando inflação vem, tudo (preços de despesas e dos investmentos) aumenta, menos o teu salário 😛
  • Não é a poupar que ficas rico
    • Escola treina-nos para ser empregados. Mas nunca ninguém ficou rico assim (nem lá perto)
    • Só fazes isto porque não sabes de outras opções (e nunca tiveste a curiosidade de pesquisar)
  • Processo do dinheiro
    • As pessoas criam valor e ganham dinheiro
    • Estado tira um parte do dinheiro
    • Se precisar de mais dinheiro, pede emprestado às pessoas (certificados aforro e tesouro)
    • Se precisar de ainda mais dinheiro, “imprime dinheiro” (bsicamente, o estado vai à sua “conta bancária” e mete lá mais uns zeros)
      • Isto é inflação: mais dinheiro em circulação, mas mesmos produtos. Para manter o equilíbrio, logo cada produto tem de custar mais dinheiro (ou seja, preços aumentam).
        • “Para haver este aumento, alguém tem de pagar as consequiências” (taxa invisível)
        • Se eu for um governo, posso imprimir dinheiro, dar-te dinheiro e tu pensas que estou a ser generoso mas de facto deixeite mais pobre, poeque cada euro teu vale menos.
      • Preços aumentam, começa-se a produzir menos e a comprar igual ou mais, o que leva a algumas quebras de stock.
      • “Guarda o dinheiro” não! (muito mais sujeito a estas variações). Pobre fica pobre porque totalmente dependente destas variações. O teu salário varia mais lento.
      • “O dinheiro flui naturalmente para os investimentos” (os ricos)
        • Se há mais dinheiro, os preços de tudo aumenta, inluindo imobiliário, e a tua casa agora vale muito mais dinheito do que valia.
          • E maisdifícil comprar agora,
        • Mesma coisa com empresa – apenas tem de aumentar os preços, mas aí estabiliza (e ganha mais desse dinheiro)
          • Exemplos: Algumas empresas com os maiores lucros de sempre (porque mais pessoas a comprar)
      • Governo injeta dinheiro no país comprando investimentos (os teus investimentos)
  • O dinheiro não vale sempre o mesmo
    • O valor do teu dinheiro depende somente das coisas que consegues comprar com ele. Ou seja, se todos os preços aumentam, o teu dinheiro vale menos porque dá para comprar menos coisas do que antes.
  • Ilusão dos aumentos de salário
    • Não interessa quanto ganhas. Interessa é o que consegues comprar com o dinheiro que ganhas. Podes ganhar mais, mas se tudo for mais caro, então estás a ganhar menos.
    • Venezuela – usar dinherio para fazer chapéus, etc. (porque jperdeu todo o valor, porquejã não dava para fazer nada com ele)
    • Dinheiro só vale porque há quem confie nele e o aceite para comprar serviços, etc.
  • Para tu ganhares mais, não tiras a outros (pelo contrário, ganhar mais é criar mais valor. E valor é infinito)
  • Esclher o mais barato
  • Mas ser rico não é garantia de infelicidade
    • Dinheiro = Liberdade e Resolução Fácil de Problemas
    • Sendo rico, podes sempre decidir o que fazer (tens mais opções) – Marisa Peer vid fer success?
    • Ao dinheiro o que é do dinheiro, ao resto o que é do resto
    • Nada é tão fantástico ou mau do que parece (provavelmente tem muito trabalho por trás) – MAS só por dar mais trabalho não significa que é melhor!

Trocar Tempo por Dinheiro é limitado

💸 Se Amas Investir (Investido)

Tal como com qualquer crença errada que nós temos, o destino final é sempre a verdade – aquela altura em que vemos as coisas exatamente como elas são – neste caso, o dinheiro.

Tal como tudo – o dinheiro não é bom, nem maus (é apenas uma ferramenta e há que a saber usar)

Investe no que é real

  • Em termos de realidade: Conhecimento e Reputação (Ninguém te tira) > Objetos (podem destruir ou perder) > Dinheiro, Qualificações, Notas na escola (só tem valor se outra pessoa o reconhecer)
    • “Transofrma o teu dinheiro agora em formas mqais úteis de dinheiro”-Nuncqa se sabe se a pessoa qao teu lado será o teu juíz daqui aa 2 ou 3 anos
  • Investe em ti – és o mais valioso
  • Ações
  • Por isso, é que se fala em investir em ouro, imobiliário, etc. (porque são coisas reais, que têm valor real, nem que a moeda acabe)

Investir requer paciência

  • Dinheiro não deve ser o objetivo (irá ditsrair-te do que realmente interessa: seres bom e teres divulgação)
  • A ilusão de ficar rico de repente – não existe!!!
    • Se algo parece bom demais para ser verdade, é porque é.
    • Nas redes sociais só vês o s resultados, não vês o processo.
  • Por experiência nada é tão mau ou tão bom como se gosta de fazer pensar. É preciso é aprender e saber o que estamos a fazer.
  • Riqueza é longo prazo, chata
    • Uma coisa é certa: nunca ficarás rico a não ser que saibas minimimanente o que estás a fazer
    • Talvez a maneira mais rápida é empresa/criação de conteúdo, mas para isso precisas de saber o que estás a fazer (e é muito menos garantido)
    • O segredo é o juro composto
    • É como sucesso na vida – é hábitos compostos que dão grandes sucessos passado um tempo (que nós só vemos o resultado)
  • Não tenho dinheiro (como começar a ganhar?) – isso não é para mim/não mereço a(não tenho isto, nao tenho aquilo, preciso disto – não!)
    • Podes trabalhar à % dos rendimentos
    • Usa o que tens e sê criativo (haverá sempre alguém a querer ajudar)
    • Primeiro, elimina o desnecessário (poupa)
    • 3 propósitos das poupanças (não – não vais ficar rico a poupar). Poupa até teres 3-12 meses de despesas-
      • Emergência
      • Grande compra (casa, carro)
      • Investir
    • Crescer
      • ETFs
      • Ações
      • Imobliário: Arrendar
    • Com dinheiro sustentável, então podes começar a gastar num ou outro luxo de vem em quando (eepois de já teres liverdade financeira, ou seja, rendimento suficiente para cobrir confortável despesas básicas)
  • Usa dinheiro para automizar (tarefas em que não és absiolutamente necessário ou não gostas ou não é a tua especialidade)
    • Empresa de Gestão de Casas
  • Lei da oferta e procura – lei mais fundamental
  • Não contes a ningu´wem o que está a fazer até a coisa começar a resultar
    • enquanto não resultar, só receberás críticas e dúvidas (é normal – ser humano teme o desconhecido). Para evitar isso, simplesmente avisa quando estiver a resultar 100% encaminhado.
  • Fundamental: experimentar e ajustar (sem qualquer medo de errar)
    • Erros facilitam aprendizagem (liga todas as partes do cérebro certas)
  • Faz o que tu queres e os outros que se lixem
  • Usa sdinheiro para ganhar mais dinheiro (e não tempo!!!)
  • Usar dinheiro, sem medo, para o propósito certo (nao gastar cenas que noa vaklorizam)
  • Compra só se conseguisses comprar 2 (ou 5 deles) – só de rendimento passivo – nunca gastar nos gastos, mas no passivo
  • Objetivo: Dinheiro fazer filhos
  • Se tens ativos, então adoras inflação!!!
  • Investidor ganham mais que o ceo!!!! (50 milhoes vs 500 milhoes coca cola)
  • O mais importante é o teu propósito de vida

Como começar já

Mãos à obra!

  • Tu podes mudar a tua situação (não és uma vítima) – responsabiliza-te e aprende
    • Toda a gente faz o melhor que sabes. Quando vives rodeado de pessoas em que isso é o melhor que sabem, tu imitas. Mas agiora, tens a internet, por isso não precisas de te limitar. Sê curioso e aprende.

➤Estratégia de Vida: para quê?

A estratégia de vida visa responder a duas perguntas fundamentais:

  • Qual é a vida que queres ter?
  • O que é preciso fazeres para lá chegar?

Neste momento, não aprendemos como criar a nossa estratégia de vida. Nem pensamos na vida que queremos ter, nem o que é preciso fazer para lá chegar.

Passamos a vida em piloto automático, a fazer aquilo que os outros nos dizem para fazer. Passamos a vida a receber ordens, e a seguir essas ordens, e não conseguimos viver sem ter essas ordens.

Mas é isso que eu quero mudar. Asssim, vou-te dar todas as ferramentas para que possas começar a pensar por ti próprio e perceber que vida queres ter e quais são os passos para lá chegar.

O grande objetivo? Ajudar-te a criar a vida que queres ter (porque quanto mais te aproximares da vida que queres ter, mais feliz serás a todos os níveis, e mais útil serás para toda a gente à tua volta).

ATENÇÃO!!! Teres a vida que queres ter não é um mero luxo a quais só alguns têm direito. Teres a vida que queres ter é o teu grande dever como pessoa, não só para poderes viver bem contigo próprio todos os dias, mas para usares as tuas capacidades da melhor forma para o benefício de todos.

Porque só tu podes descobrir como usar as tuas capacidades da melhor forma (só tu e mais ninguém!)

➤Como tomar decisões

São as tuas decisões que determinam grande parte da tua vida, por isso é importantíssimo dominares a arte de tomar boas decisões.

Pressupostos Base

  • Prepara-te para todas as possibilidades (torna-te o mais móvel e flexível possível – com o mínimo de requisitos para funcionar) – “quanto menos precisas, mais forte és”
  • Só pensar no que controlas. Esquecer o que não controlas – liidar com amor e humor, contente com qualquer opção
  • Como separar informação real/útil de informação imaginária? (qual informação realmente é útil e qual é desncessária: estatísticas, etc.)
  • Boa decisão? Por amor e não por medo.

📝Queremos: lista todas as opções

1. Tenho de decidir já?

Antes de começares sequer a pensar nas opções que tens, primeiro pergunta-te: “tenho de decidir já ou posso esperar sem qualquer desvantagem?”

Se não houver nenhuma desvantagem em esperares, então é melhor esperares e só decidires quando tiveres mesmo de decidir.

Mas calma! A ideia não é esqueceres completamente o assunto! A ideia é teres mais tempo para experimentar e recolher mais informação, o que deverá facilitar essa decisão no futuro.

Opção A ou opção B? Escolhe a opção C!

Muitas vezes nós estamos tão focados em tentar decidir entre duas opções, que esquecemo-nos que pode haver mais opções.

Normalmente, todos nós só pensamos nas opções mais óbvias (aquelas opções em que toda a gente pensa). Mas se tu pensares bem e pesquisares mais um pouco, descobrirás mais opções (talvez ainda melhores do que as opções que já tinhas).

Não elimines opções demasiado cedo

À medida que escreves todas as tuas opções, vais ter a tentação de dizer logo:

  • “Ah, esta não é possível”.
  • “Ah, esta não vai resultar”.
  • “Ah, esta dá muito trabalho”.

Ignora estes pensamentos e adiciona também essa opção à tua lista de opções.

No fundo, nesta fase, não elimines nenhuma opção – escreve todas!

Faz perguntas ambiciosas

E, por vezes, há perguntas que te podem ajudar a melhorar as opções existentes ou adicionar novas opções:

  • Onde estás a criar suposições/limitações/restrições/requisitos desenecessários?
  • Como ter as vantagens desta opção, mas sem as desvantagens? (como eliminar ou minimizar as desvantagens?)
  • E se tivesses só 1 hora, 1 dia, 1 semana – como farias?

🔎Precisamos: onde recolher informação?

Agora que já sabes a pergunta a que queres responder, então está na hora de recolheres a informação que precisas para tomar uma decisão informada.

Pesquisa

Se só usares uma ferramenta, usa o Chat GPT. Basta pedires-lhe uma lista de vantagens e desvantagens para cada uma das opções que tens (e ele dá-te uma lista de vantagens e desvantagens extremamente completa, bem explicada e com bom senso).

Depois, se quiseres, podes também:

  • pesquisar mais informações no Google, YouTube e sites oficiais
  • falar com amigos, familiares e pessoas na área, pessoalmente ou online (em fóruns, grupos ou mensagem privada).

Absorve os factos, ignora a opinião

Na tua pesquisa, ou sempre que falares com alguém, absorve só os factos e ignora tudo o que é opinião.

Opinião é:

  • “É muito bom. É ótimo. Recomendo.”
  • “É muito difícil. Dá muito trabalho. Não vais conseguir.”
  • “Não faças isso. Devias fazer isto ou aquilo.”

Factos é:

  • “Usei este método e tirei nota máxima”.
  • “Já tive muita gente na mesma situação e tiveram negativa”
  • “Fiz isto e consegui este resultado”

Basicamente, factos é a experiência pessoal dessa pessoa. Tudo o resto provavelmente é opinião.

Ou seja, absorve só a experiência pessoal dessa pessoa e ignora tudo o resto.

Por isso, nunca peças conselhos. Em vez disso, pede-lhes para contarem a sua experiência pessoal. E depois de ouvires a sua experiência pessoal, então tira tu as tuas próprias conclusões.

E se essa pessoa começar a dar-te conselhos em vez de falar da sua experiência pessoal, pergunta-lhe sempre: porque é que dizes isso? O que é que te aconteceu para pensares desta forma? (aí perceberás logo se a pessoa tem alguma experiência pessoal ou se só está a inventar ou a repetir o que ouviu algures).

Em quem confiar?

Normalmente, consegues perceber se uma pessoa sabe do que está falar pela sua capacidade de se explicar e responder às tuas perguntas.

Mas outra maneira rápida de descobrires se a pessoa sabe do que está a falar, é perceberes em qual dos 6 perfis seguintes essa pessoa se enquadra (faz-lhe as perguntas que forem precisas para perceberes em que perfil se enquadra):

  1. já chegou lá ela própria e já fez pessoas como tu chegar lá
  2. já fez pessoas como tu chegar lá
  3. já chegou lá ela própria
  4. já viu alguém chegar lá várias vezes
  5. já viu alguém chegar lá uma vez
  6. não tem qualquer experiência

Regra geral, quanto mais em cima estiver na lista, mais poderás confiar nessa pessoa.

Mas como sempre, não acredites em nada cegamente: usa sempre o teu espírito crítico para avaliar o contéudo de cada frase, uma a uma.

IMPORTANTE: A informação que não está muitas vezes é mais importante do que a que está (faz as perguntas necessárias para descobrir essa informação). Por exemplo, nas estatísticas das universidades, etc, cada um escolhe a estatística em que é melhor. Mas o que interessa é se essa estatística é algo que valorizas mesmo. Ideal: define os teus valores primeiro, o que procuras, e depois é mais fácil decidir (normalmente cada um usa as estatísticas em que está melhor posicionado. E depois, as estatísticas que existem são os aspetos que se conseguem facilmente medir)

🤔Temos: Como tomar a decisão

Já recolheste toda as informações que possas precisar. Agora, está na altura de pensares e tomares a tua decisão.

Não há decisões certas ou erradas

Tomar decisões não é como resolver um teste: de facto, não há decisões certas, nem decisões erradas.

Aquilo que há sim são vantagens e desvantagens. Cada decisão tem as suas vantagens e desvantagens, e o que queres perceber é quais as vantagens e desvantagens que preferes ter na tua vida.

Esperar mais tempo dar-te-á mais informação?

Às vezes esperar mais tempo não te dará nenhuma informação nova relevante. Neste caso, é prefrível tratares imediatamente do problema (assim o teu cérebro pode pensar noutras coisas)

Pior caso já aconteceu – estás bem mesmo com esse?

Exemplos Pessoais – imagina que já tens o resultado – gostas?

  • Pensar até ao limite: na melhor das hipóteses, resolve o maior problema do mundo matemático. Já resolveste, e depois? Depois, meh.
  • Exemplo: Sou Matemática, resolvi o problema de Matemática mais famoso no mundo. E depois? Nada. Sou a mesma pessoa. Nada de especial.

Reduzir Restrições/Requisitos

  • Posso reduzir os meus requisitos?

De acordo com a natureza

  • Criar circunstâncias certas
    • Incentivos
    • Círculo de Amigos

Má solução: opiniões de outros

Nesta fase, uma das grandes tentações é não olhares para os factos e não pensares naquilo que tu queres, mas simplesmente fazeres o que os outros te dizem para fazer.

Isto acontece graças a 3 grandes razões.

Primeiro, fazes o que os outros dizem porque pensar dá trabalho

É muito mais fácil fazermos o que outra pessoa nos diz

Segundo, fazes o que os outros dizem porque se fores tu a decidir, então também serás responsável se falhares (e isso assusta-te)

Para resolvermos esse medo, normalmente decidimos fazer como os outros dizem. Assim, se a coisa correr mal, perfeito, não preciso de aceitar a responsabilidade pelo meu falhanço. Posso simplesmente dizer: “a culpa foi tua porque me disseste para fazer assim”.

Esta brincadeira do “a culpa foi tua” pode-nos dar algum conforto psicológico, mas a verdade é que quem terá de viver com todas as consequências do teu falhanço serás tu.

E esse “a culpa foi tua”, não muda absolutamente nada na tua realidade. Apenas tortura a outra pessoa com negativismo desnecessário.

Terceiro, fazes o que os outros dizem porque te sentes inseguro sem ter o apoio ou aprovação das pessoas à tua volta.

Nós somos seres humanos. Naturalmente, sentimos a necessidade de aprovação, especialmente daqueles que nos são mais próximos.

E por isso é especialmente difícil tomarmos decisões que vão contra a opinião dos que nos são mais próximos.

Imaginamos logo que, se alguma coisa correr mal, vamos ouvir aquele “eu bem te disse”, aquele comentário sempre negativo, sempre desnecessário, que não resolve absolutamente nada, mas que o ser humano adora atirar sempre que tem a oportunidade.

E para evitar aqueles breves segundos de “eu bem te disse” (que muitas vezes nem acontecem), acabamos por viver uma vida cheia daquilo que não queremos. 😢

  1. Preguiça em pensar
  2. Medo de te responsabilizares pelo teu próprio falhanço
  3. Medo de contrariar os outros

Todos estes 3 argumentos são poderosíssimos e fazem-nos demasiadas vezes escolher o caminho que os outros querem em vez do caminho que nós queremos.

Mas não haverá solução melhor? Claro que há!

Boa solução: responsabiliza-te!

Lembra-te: a tua maior missão como pessoa é garantir que crias a vida que queres ter. E só tu podes tomar as decisões que te aproximam da vida que queres ter.

Porque se tu não tomares as tuas próprias decisões, então alguém tomará por ti. Mas aí, essas decisões não criarão a vida que queres ter, mas criarão a vida que a outra pessoa quer que tenhas.

E quando um dia acordares e perceberes que estás a viver a vida de outra pessoa, vais-te sentir frustrado, deprimido, sem energia, sem razão de viver. Tudo isto porque deixaste que os outros tomassem as decisões por ti.

Por isso, não deixes que os outros ditem a tua vida. Começa já a tomar todas as tuas decisões, porque só tu podes tomar as decisões que criarão a vida que queres ter.

É claro que, no início, tomar as tuas decisões pode ser assustador. Mas tudo fica mais fácil quando percebes 3 factos.

Primeiro, quando tu tomas as tuas decisões, terás logo mais chances de sucesso.
  • Se fizeres o que outra pessoa diz, estarás a fazer a primeira coisa que veio à cabeça dessa pessoa, que não terá em conta todas as possibilidades, nem o que tu queres.. Mas se fores tu a tomar a decisão, tomarás a decisão mais informada possível que vai ao encontro do que tu queres (e uma decisão mais informada tem mais chances de sucesso)
  • Se fizeres o que outra pessoa diz, então tens sempre a escapatória do “a culpa foi tua” e por isso não vais dar tudo de ti, vais sentir que fazes tudo por obrigação e vais procurar problemas em vez de soluções. Mas se fores tu a tomar a decisão, então não tens escapatória possível – a responsabilidade é só tua, por isso vais dar tudo de ti, vais fazer tudo com a maior vontade e vais sempre procurar soluções. Resultado? Muito mais chances de sucesso!
Segundo, “falhar” não existe (porque tudo é progresso)

Passando tanto tempo na escola a “aprender só para ter a nota”, esquecemo-nos que o objetivo não é a nota, mas sim aprender.

Passando tanto tempo nas redes sociais a “ter experiências só para os gostos”, esquecemo-nos que o objetivo não são os gostos, mas sim ter as experiências.

De facto, o objetivo não é mostrares que és bom, mas sim seres bom. O objetivo não é mostrares que tens as experiências, mas sim teres as experiências. No fundo, o objetivo não é mostrares, o objetivo é seres.

Porque aquilo que mostras não é real. Só aquilo que és é que é real.

Porque lembra-te: a vida é um jogo a longo prazo. E se quiseres ter sucesso num jogo a longo prazo, não basta mostrar. Tens mesmo de ser.

E quando reparas que o que determinará o teu sucesso, o que determinará se terás ou não a vidas que queres ter não é o que mostras, mas sim o que és, então percebes rapidamente que “falhar” não existe.

Cresce, toma responsabilidade por todas as tuas decisões e aceita as consequências – prepara-te para todas elas.

Falhar é um processo do algoritmo natural de evolução. É preciso errar para acertar ainda mais.

Desde quando é que falahr é tão taboo?

Quando estamos a tentar decidir, queremos sempre ter a certeza de que vamos atingir o resultado pretendido. Isto porque, a nosso ver, atingir o resultado pretendido justifica todo o nosso trabalho. Mas falhar em atingir o resultado pretendido faz com que todo o nosso trabalho seja em vão.

Antes de mais, nenhum trabalho é em vão. Porque o que te tranforma, aquilo que te faz evoluir e estar mais preparado para o futuro não é atingir o resultado, mas sim todo o trabalho que fazes ao tentar atingir esse resultado.

E além disso, experimentar o que quer que seja ensina-te sempre lições para o fuuro: o que fizeste bem e deves continuar? O que fizeste mal e tens de corrigir? O que realmente gostas ou não de fazer?

Terceiro, procura só a tua própria aprovação – deixa que os resultados falem por si

E se já sabes que os teus pais ou outras pessoas não apoiam os teus projetos, nem acreditam neles, então não lhes peças opinião. E mesmo quando tiveres resultados, não fales do assunto com eles, porque o ser humano não gosta de saber que está errado. Apenas não menciones o assunto e, se alguém mencionar, deixa que os resultados, quando os tiveres, falem por si.

Aqui é preciso relembrar que familiares e amigos são apenas fontes de informação, que

Ouço os meus pais, e percebo que eles.

Se eles não são qualificados, podes ignorar a opinião deles! Mas, cuidado sempre, para te perguntares se não és tu que estás a ser arrogante. Sempre preciso equilíbrio.

Acima de tudo, toma tu as tuas próprias decisões, porque tu é que sofrerás as consequências e terás de viver todos os segundos dessa vida que escolheste. Faças o que fizeres, haverá sempre alguém a criticar-te. Por isso, não vale a pena tomares decisões só para agradares a alguém. A única pessoa a que as tuas decisões têm de agradar é a ti – e depois, com os comentários dos outros, aprenderás a lidar.

Rodeia-te também de pessoas que te apoiam e que pensam de forma parecida.

No fim de contas, terás de ser tu a pensar o que valorizas mais e tomar a decisão (não deixes que ninguém decida por ti)

Esta questão de deixar os outros tomar as decisões por nós é muito tentadora, porque dá muito menos trabalho, mas é a receita perfeita para sermos pessoas frustradas e deprimidas no futuro, porque não criámos a vida que queríamos, mas em vez disso deixámos que outros decidissem por nós.

Eu não espero que compreendas o porquê, e não preciso de te convencer porquê. Deixaremos

Ignora a informação má: Não tentes prever o futuro

A outra maneira de tentar criar certezas é tentar criar previsões. Nós queremos ter a certeza que algo irá resultar mesmo antes de experimentarmos.

E por isso, erradamente, tentamos chegar lá pela lógica.

Por exemplo, queres saber o que é que te vai acontecer se mudares a tua alimentação. E depois, com base no teu conhecimento, tentas prever aquilo que irá acontecer mesmo antes de tentar.

Mas qual é o grande problema? Por mais conhecimento que tenhas sobre saúde e alimentação, nunca terás conhecimento suficiente de todas as interações que ocorrem no teu organismo ao mudares a tua alimentação. Há demasiadas variáveis. Há demasiadas interações que não compreendes totalmente. Por isso, qualquer previsão que faças é como atirar uma moeda ao ar – não vale absolutamente nada.

Outro exemplo é o do: “esta pessoa experimentou este resultado e por isso se eu fizer o mesmo terei o mesmo resultado.” Errado! Cada pessoa é única (com as suas capacidades, motivações e circunstâncias únicas). Há demasiadas variáveis que te distinguem de qualquer outra pessoa para essa pessoa ser uma simulação útil do que te vai acontecer a ti. Por exemplo, se tu mudares a tua alimentação, o teu corpo funciona de forma tão diferente de outra pessoa que a maneira como essa alimentação afeta essa pessoa não dirá nada sobre o que te acontecerá a ti. Outro exemplo, é estudar para um exame. A tua motivação, métodos de estudo, rotina, alimentação, sono, recursos, etc, são tão diferentes do que outra pessoa usa, tal que o que aconteceu com essa pessoa não nos diz sobre o que te acontecerá a ti.

Do mesmo modo, por isso é que estatística e modelos matemáticos sofrem do mesmo problema. Há demasiadas variáveis em jogo para que isso ofereça uma boa simulação da realidade. E cada pessoa é suficientemente única tal que aquilo que acontece a certas pessoas não é suficiente para ter a certeza que o mesmo acontecerá contigo.

A única altura em que vale a pena sim usar o cérebro para fazeres previsões é em situações deterministas, ou seja quando todas as variáveis e suas interações estão totalmente compreendidas, ou seja, quando conseguimos ter uma simulação perfeita.

Na vida real, muito raramente temos estas situações deterministas em que conseguimos ter uma simulação perfeita. A maioria dos casos envolvem a Matemática (que não seja estatística ou modelos matemáticos). Por exemplo, se soubermos o comprimento e a largura da nossa televisão retangular, então não precisamos de medir a sua diagional – basta usar um Teorema de Pitágoras. Por exemplo, se tivermos 5 notas de 100€ e 2 de 200€ então sabemos que temos 900€. Se tivermos 4 linhas com 5 bolas, já sabemos quie temos 4 × 5=20 bolas.

No fundo, a não ser que a tua simulação mental seja perfeita, não uses simulações mentais. Não estarás a prever nada.

EDIT: Decide só com base naquilo que é certo, não em previsões (decide de modo que aconteça o que acontecer, tens um resultado que te satisfaz). Só o agora é que é certo

EX:

  • Agora está Sol na rua. Quero apanhar sol e lavar os dentes. Só posso fazer uma coisa de cada vez. Qual faço primeiro? (apanha Sol, porque o Sol não é certo – depois não se sabe, mas agora o Sol é certo)
  • Faltam 10 minutos. Estás a fazer uma tarefa que pode ficar para depois, mas tens mesmo de lavar os dentes. Só podes fazer uma coisa de cada vez. Quando é que vais lavar os dentes? (A minha resposta seria lavar os dentes imediatamente. E depois, o tempo que sobrar, usa-a para a outra tarefa).

Usa só informação boa: experimenta

Se na maioria das vezes não podemos confiar nas nossas simulações mentais para tomar decisões e saber o que vai funcionar e não vai funcionar, então usamos o quê?

“Vai resultar? Não vai resultar? Não sei. Mas não vou ter a arrogância de basear a minha decisão nas minhas simulações mentais”

A melhor maneira de saber se algo irá resultar no teu caso particular é simplesmente experimentares!

No caso acima da alimentação, a melhor maneira é experimentares mudar a tua alimentação e depois ver o que acontece. Aí terás a certeza absoluta das consequências para ti.

E se for algo em que os resultado dependem principalmente do teu trabalho, por exemplo, a preparação para um exame, então faz tudo ao teu alcance para atingires o resultado pretendido. Tenta tudo e mais alguma coisa para atingir o resultado. Vai aproveitando o feedback que essas tentativas falhadas te vão dando e o mais provável é que consigas mesmo o pretendido.

Quer controles ou não controles o resultado final, a única maneira de teres a certeza é experimentares. Tudo o resto é inventar.

Usa só informação boa: cria certezas

A não ser em situações deterministas, em que conseguimos prever sem margem de dúvida o que vai acontecer porque temos total conhecimento, em todas as outras situações, o melhor é experimentar.

E se não podermos experimentar todas as opções, há sempre outras maneiras de criar certezas.

Eu não tenhas a arrogância de pensar que sei exatamente o que o meu eu do futuro quererá daqui a 1 mês, 1 ano, 1 década. Pelo contrário, eu aceito que o mais provável é que eu irei mudar de decisão a toda a hora.

E é por isso, que eu digo sempre: escolhe a opção que deixa o máximo de opções em aberto.

Por isso é que qualquer curso com Matemática é a melhor escolha para indecisos: porque deixa o máximo de opções em aberto.

Claro, há exceções a esta regra: quando tens certeza absoluta que queres escolher determinado caminho e aceitas que há certas opções que vais fechar ao escolher esse caminho, então està à vontade para acançar.

Basicamente, na dúvida, é sempre melhor deixar mais opções em aberto. Mas se já souberes o que queres, e aceitas todas as consequências dessa decisão, então avança!

Depois, há outros princípios que também dão imenso jeito:

  • Cria reversibilidade nas tuas decisões (ou seja, faz com que seja o mais fácil possível mudares de ideias mais tarde). Por exemplo, no teu contrato de trabalho, garante que é fácil saíres.
  • Prepara-te para todas as possibilidades e faz com que todas as possibilidades sejam boas para ti (no momento em que tomas uma decisão, tu aceitas que qualquer uma das possibilidades pode acontecer. Nessa altura, decides logo também como irás reagir emocionalmente a cada uma das situações e que ações poderás tomar para que qualquer possibilidade seja boa para ti)

Falhar: como lidar

Por vezes, a tua decisão não te vai levar aos resultados que querias. Mas muita atenção: só por não teres tido os resultados que querias, isso não significa que foi a decisão errada,

De facto, a decisão que te dá as maiores probabilidades de sucesso é a decisão “certa”, mas lá está: probabilidades. Probabilidades significa que não é certo, por isso mesmo que tenhas maximizado as probabilidadees de sucesso, falhar ainda é uma possibilidade.

Por isso, acima de tudo, prepara-te para qualquer possibilidade e vê cada possibilidade como a oportunidade para aprender lições importantes para a vida.

Técnicas de Desempate

Na dúvida, há técnicas que te podem ajudar:

  • Se não é SIIIIIIIIIM, então é não. Se genuinamente não te interessa tanto, provavelmente mais vale dizeres não. “Não é dizer não a uma coisa, sim é dizer não a tudo o resto”
  • Na dúvida, escolhe a opção que exige mais de ti (se o teu único receio é de não seres capaz, então escolhe essa opção e faz tudo o que é preciso para seres capaz. Provavelmente não só serás capaz como terás muito sucesso.)
  • Se essa decisão te impede de avançar, escolhe uma qualquer rapidamente (poderás sempre mudar mais tarde)

O papel das emoções

Pormenor Técnico: maus resultados não significa que foi uma má decisão.

Uma boa decisão não é uma decisão que depois traz bons resultados. É sim uma decisão, que, no momento em que estavas a decidir, era a decisão que tinha mais probabilidades de trazer bons resultados (comparando com todas as outras decisões que também poderias tomar)

EXEMPLOS:

  • Uma boa decisão pode levar a maus resultados: Falta 1 hora para o teste e ainda não estudaste nada. Queres ter a melhor nota no teste, por isso decides estudar o máximo que podes durante essa hora. Porém, quando recebes a nota do teste, tens uma má nota. (Neste caso, estudar a hora completa é a melhor decisão porque te dá as maiores probabilidades de sucesso comparando com todas as outras possíveis decisões. Agora, teres as maiores probabilidades de sucesso não significa garantia de sucesso, por isso, tal como aconteceu aqui, ainda podes falhar)
  • Uma má decisão pode levar a bons resultados: Falta 1 hora para o teste e ainda não estudaste nada. Queres ter a melhor nota no teste, mas decides não estudar nada durante essa hora. Porém, quando recebes a nota do teste, tens uma ótima nota. (Neste caso, não estudar durante essa hora é uma má decisão, porque tem menos probabilidades de sucesso do que passar essa hora a estudar. Agora, teres menos probabilidades de sucesso não significa garantia de falhanço, por isso, tal como aconteceu aqui, ainda podes ter sucesso)

Por causa disto, eu apenas me preocupo com tomar as melhores decisões (porque só isso é que posso controlar). E depois o meu espírito é “Fiz tudo o que podia. Agora, o que acontecer, acontece! E aceito o resultado, qualquer ele seja.” (porque lembra-te: um falhanço de curto prazo não diz nada sobre o teu sucesso a longo prazo. Porque o teu sucesso a longo prazo depende é das boas decisões que tomes. Porque qualquer pessoa pode ter sorte ou azar uma vez. Mas se uma pessoa continua a ter sorte ou azar muitas e muitas vezes, então não é por acaso: sáo as suas boas ou más decisões a fazer toda a diferença.)

➤Porque o teu negócio está a falhar. Como ter um Negócio de Sucesso – Passo a Passo (Princípios Fundamentais)

VER MAIS EM: “Guia Completo de Criadores de Conteúdo” (fim da página)

Muitos de nós, só de ouvir a palavra negócio, ficamos logo com medo, risco, perder tudo. Porque o nosso pai ou a nossa mãe de certeza que mencionam aquele ou oo outro que começaram um negócio, falharam e ficaram sem nada.

Mas porque tantos negócios falham? Porque não sabem o que estão a fazer, e por isso não tomam boas decisões de negócio.

Mas tu não tens de cometer os mesmos erros. E, por isso, vou-te explicar os 11 princípios mais importantes para teres um negócio de sucesso.

Ver mais tarde

  • Artigo sobre documentar e melhorar: https://invoicexpress.com/blog/gestao-documental-processos

Conceito mais importante de negócio: confiança do cliente

  • Cria a confiança e terás tudo. E isso começa com total honestidade e tentar sempre fazer tudo ao teu alcance para ajudar a outra pessoa.

Negócios só falham por 1 razão

Um negócio só falha quando não tem dinheiro. Se o teu negócio não tem despesas, então não pode falhar!

Primeiros Clientes – Como começar

  • Serviço grátis a conhecidos (contactar 3 vezes. Quando já não tiveres contactos, repetir todos)
  • Bom, podem tornar-se clientes, divulgar a outros e dar feedback
  • Se não, dão feedback útil para melhorar (sempre bom para aprenderes!)
  • Aumentas preço quando começares a clientes por recomendação ou não tiveres mais tempo. Aí aumentas para 80% desconto, depois 60%, etc (por exemplo, a cada 5 pessoas). Par amanter velhos clientes, “já tenho estas pessoas noivas a pagarem isto. Prefiro trabalhar contigo. Que tal pagares o mesmo?”
  • 100 contactos por dia, usando diferentes meios

Não experimentas

  • Se desistes à primeira tentativa, erro! Não é suficiente para aprender e melhorar. Precisas de v+várias experiência antes de chegar a qualquer conslusão.

Resolver negócio

Para resolver problemas do negócio:

  • olha para os dados (números) e faz as contas
  • fala com os clientes

Muita gente faz nenhum destes.

O conceito fundamental de um negócio

Dinheiro é:

  • resolve problemas
  • num problema em que o cliente esteja disposto a pagar para ver resolvido
  • (até entretenimento é resolver problemas)

Leis importantes

  • Lei da Oferta e da Procura
  • Lei da Reciprocidade (dá muito mais do que pedes e será muito mais fácil arrajar clientes)

Os dois componentes essenciais de um negócio

Produto e Marketing

Atendimento ao cliente – o que distingue qualquer negócio

  • Isto é o mais importante em qualquer negócio, especialmente físico.

Público-Alvo

  • Importantíssimo
  • Grande sucesso é sempre pensar no consumidor em primeiro lugar, em todos os aspetos da sua experiência – problemas, atendimento, expectativas, serviços, soluções
  • Preço e tudo o resto de modo a atrair esse público alvo

Marketing: Tipos de Cliente

  • Problem Unaware: I don’t know I have a problem.
  • Problem Aware: I’m aware I have a problem. How do I fix it?
  • Solution Aware: I’m aware there are solutions, but not yours.
  • Product Aware: I’m aware of your product. Why are you the best?
  • Most aware: I want your product. Make me an offer I can’t refuse.

Medidas Anti-Desastre

  • Mesmo que o negócio falhe, o que fica? (conhecimento e audiência) – presença na memória das pessoas
  • Negócio sem gastar dinheiro nenhum

O mais convincente: boa experiência anterior (e poder do grátis)

  • Como os meus vídeos do YouTube faziam pessoal pedir explicações (ideia: percebo estas explicações em vídeo, por isso também vou perceber com explicações individuais)
  • Melhor a seguir: recomendação de um conhecido

Quão insubstituível és tu? Ou estás a fazer o trabalho de uma máquina?

Qual é o meu negócio? Ter a ideia de negócio ou produto

Pergunta chave: o que é que gostavas que existisse? Cria isso! (será bom para ti e também para todos!)

  • Se estás a começar com “quero ter um negócio de …”, então provavelmente não é a melhor ideia,
  • Usa audiência ou própria experiência ou clientela existente freelancer
  • Chave: vende implementação, oferece conhecimento
  • Muito do que é óbvio para ti não é óbvio para outras pessoas. Pensa naquilo que tu fazes ou aprendes naturalmente nos teus tempos livres, ou que familiares e amigos te pedem sempre ajuda. Aí está a tua melhor oportunidade de negócio.

Mais Poderoso – Produto Bom

  • Passa Palavra é o método grátis e mais exponencial de fazer as coisas
  • Quando melhor o produto, maior o passa palavra

Marketing Ético

A única maneira de fazer marketing ético, que beneficia todos os envolvidos, é um marketing que se foca nas características reais dos produtos que oferece e nos resultados que promete oferecer.

Por exemplo, a promessa de um champô ou um carro te dará mais confiança regra geral é mentira e não devem ser argumentos utilizados. De facto, ensinam a ideia errada de que objetos exteriores podem alterar o nosso estado interno permanentemente.

Decidir o teu preço

O teu preço define o teu tipo de cliente. Normalmente, clientes que pagam mais também são os menos “chatos”.

Faz as contas!!! (dinheiro, tempo, trabalho)

  • Festas da aldeia artistas caros: contas irrealistas
  • Minhas contas: contas limpas e simpática
  • Erro: decisões de ego e vaidade

Começar a Vender: “Produto/Negócio Viável Mínimo”

Mito: se dá mais trabalho, será melhor produto – não!

Primeiro cria o teu produto ou conteúdo. Depois perceberás o interesse.

Longo Prazo: amas processo e não os resultados (negócio com alma) – vontade de dar tudo

  • Tem de ser um negócio com alma (senão vais desistir rápido).
  • Tens de ser uma peça fundamental.

O melhor negócio? És tu! (Marca Pessoal)

  • Resumo do outro vídeo: “resolve e relata” – descobres o que é bom e útil (marca pessoal)
  • Sem despesas (ou seja, sem risco de falhar)
  • Muito mais flexibilidade para fazeres o que quiseres (e descobrires a melhor forma de monetizares), sendo tu – autêntico.

Extra: tudo o que precisas para um negócio de sucesso – é só isto!

  • 1 nicho
  • 1000 fãs verdadeiros
  • 1 problema resolvível
  • 1 solução por serviço
  • 1 solução por venda automatizada de produto

Tudo o resto é complicar.

Melhor Publicidade

  • Como criador de conteúdo, o melhor é fazer publicidade aos teus próprios produtos, a meio dos vídeos.
  • Toda a gente te vai julgar pelo teu conteúdo gratuito (esse é o teu currículo)

Mitos sobre negócio (que impedem de avançar/começar)

Depois vão-me copiar

Se pensares bem, porque é que as pessoas continuam a comprar coisas de marca quando quando as coisas de marca branca (as “cópias”) são praticamente iguais e mais baratas? Tem tudo a ver com a confiança que as pessoas têm na marca. Por mais cópias que hajam, e mesmo que sejam mais baratas, as cópias nunca têm a audiência fiel que as marcas têm (ou seja, nunca têm o marketing necessário para terem tanto sucesso como as marcas). E é por isso, que eu sugiro sempre “criares a tua própria marca pessoal”. É claro que mais cedo ou mais tarde haverá cópias. Mas essas cópias nunca terão a confiança que a tua audiência tem em ti! Essa é a grande diferença!

Preocupar com Competição

Querer ser bom só numa coisa

  • Não tentes proteger um único produto a todo o custo. Podes sempre aprender outra coisa e alargar o teu negócio. Não te prendas à primeira coisa que aprendeste e penses que essa é a tua única possibilidade!

Medo de falhar

Necessidade Constante de criar Conteúdo (relevância online)

A necessidade de criar novo conteúdo depende imenso do tipo de negócio (especialmente do tipo de problema que o negócio resolve: se é um problema mais temporário ou mais permanente). Por acaso, na educação, nem é preciso criar conteúdo novo (tanto o meu canal como o do Explicamat são excelentes exemplos: com muitos vídeos lançados há anos, mas que continuam a ter imensas visualizações). O maior segredo para isto, claro, é aparecer na pesquisa Google e YouTube (que é o maior obstáculo inicial). Porque quando começas a aparecer na pesquisa, continuam a aparecer novos visualizadores a toda a hora! Por isso é que eu recomendo, numa fase posterior, criar conteúdo longo (porque esse conteúdo longo pode aparecer na pesquisa e, se isso acontecer, pode continuar relevante durante anos e anos). Especialmente em Portugal, há tanta falta de conteúdo, que basta criar um pequeno conjunto de conteúdo bom, agora, sobre um assunto bastante intemporal, e poderás continuar a receber os benefícios de novos visualizadores e potenciais clientes anos e anos depois.

Desde o início, o meu objetivo é claro: não é a minha vida que se tem de adaptar à minha forma de ganhar dinheiro. É a minha forma de ganhar dinheiro é que se tem de adpatar à minha vida. E é isso que eu quero transmitir a todos, tanto neste vídeo como nos seguintes que farei sobre “estratégia de vida”.

RELEVÂNCIA ONLINE? PORQUE NÃO SE APLICA NO MEU CASO

Relevência online só é uma preocupação para quem cria conteúdo com pouca validade (notícias do momento, jogos do momento, tendências do momento). Eu crio conteúdo com muita validade que, como já aparece na pesquisa Google e YouTube, está sempre a trazer novas pessoas, quer eu crie novos vídeos ou não. No fundo, cada vídeo que já criei até hoje continua a trabalhar para mim e a trazer-me novas pessoas. Porque os vídeos que eu criei há anos continuam a resolver problemas que são atuais hoje e que o pessoal continua a pesquisar. Conclusão? Cria conteúdo bom e com muita validade, tenta aparecer na pesquisa e e não te precisas de preocupar com relevância online!

PASSA PALAVRA – A OUTRA GRANDE VANTAGEM

E claro, é importante dizer, que, pelo menos no meu caso, também tenho a vantagem enorme do “passa palavra”. Ou seja, já há muitos alunos, professores e explicadores que me reconhecem e recomendam, o que traz imensa gente sem eu fazer nada (pessoas de anos anteriores continuam a ver-me nos anos seguintes e ainda me recomendam a novas pessoas).

NEGÓCIO DE SUCESSO – NADA DISTO É POR ACASO!

Tudo o que eu faço é porque percebi cedo (vendo YouTube e pelo meu senso comum) que:

➤ Negócio não é ganhar dinheiro. Negócio é resolver problemas de outras pessoas, da melhor forma possível (e o dinheiro será inevitável)

➤ Quanto mais intemporal for o problema que resolvas, melhor (porque mais validade terá o teu trabalho, ou seja, menos atualizações para fazeres)

➤ Negócio é criar uma relação de confiança com o cliente, de preferência, para a vida toda (é mais fácil manter clientes do que arranjar novos clientes. E esses clientes que mantiveres irão ser o teu melhor marketing – porque não há nada que nos convence mais a experimentar algo do que a recomendação de um conhecido!)

Dicas Avançadas

Afasta os clientes errados

Mais à frente, não só é importante atrair os clientes certos, mas também afastar os clientes errados. Para isso é importante imaginares maneiras de filtrar os clientes errados:

  • Preço demasiado alto para os clientes errados
  • Explicação clara de qual é o cliente certo (para cliente errado perceber que isto não é para ele)
  • MAIS TEORIAS?

Ideias de Negócio

  • Criador de Conteúdo Educacional: Uma versão daquilo que eu faço mas para qualquer outra disciplina de secundário (especialmente em que haja exames) ou Superior – que é onde dispostos a pagar algo. Podes começar como explicador ou como criador de conteúdo ou professor.
  • Restaurante que não escraviza os donos: Restaurante que só abre 3 dias por semana (ou outro número de dias). A ideia é criar no cliente uma ideia de exclusividade, de que é difícil arranjar mesa neste restaurante e que depois a experiência valerá a pena a dificuldade (especialmente ótimo tratamento ao cliente e talvez qualidade boa de comida – pode ser comida muito especial ou apenas comida básica mas de boa qualidade)
  • Restaurante para quem se interessa sobre a comida que está a comer:
    • Público-Alvo:
      • Principal: pessoas com restrições alimentares que querem ter uma experiência normal de restaurante (com seus familiares, amigos ou colegas), ou que simplesmente não querem cozinhar em casa
      • Secundário: pessoas que querem saber o valor nutricional do que comem, como atletas e outros, mas que não querem cozinhar em casa
      • Terciário: pessoas que querem comer só os melhores ingredientes, sem se terem de preocupar com isso (o restaurante só usa os melhores ingredientes)
    • Execução
      • Cada prato inclui informações de:
        • todos os ingredientes utilizados (alertando especialmente para ingredientes muitas vezes)
        • origem desses ingredientes
        • estimativa de valor nutricional da refeição (se restaurante fosse buffet, até poderia dar para pesar cada coisa)
      • É fácil o cliente comer exatamente o que quer (Talvez é um restaurante de buffet? Ou é apenas muito fácil fazer pedidos especiais – basta pedir).
    • Ingredientes
      • Todos da maior qualidade, de preferência biológicos e/ou de origem local (e/ou selvagem, no caso de peixe e marisco)
    • Atendimento
      • Todos os empregados têm sempre as melhores atitudes, mesmo com os clientes mais exigentes
    • Evolução:
      • Recolher o máximo de informação dos clientes, para perceber:
        • o tipo de cliente que atrais
        • como é que sabem do restaurante
        • e com que frequência as mesmas pessoas voltam
  • “Apoiarei todos os teus projetos. Se tiver potencial, dar-te-ei tudo o que precisas”.

Possíveis Produtos

  • Garrafa de vidro que não rola, estando na vertical ou horizontal (ideal para guardar facilmente em qualquer lado, incluindo no frigorífico)

Mais ideias (justin welsh)

➤ Os meus Princípios de Negócio

  • Não monetizar o conhecimento (mas monetizar a aplicação desse conhecimento)
    • Exemplo: Crio vídeo e artigos grátis, que é conhecimento puro (matéria de matemática, dicas de estudo, etc.). Depois vendo livros pagos, que é aplicação desse conhecimento (os exercícios que naturalmente te permitem aprender a matéria de acordo com os melhores métodos de estudo).
  • Quanto mais tarde puderes monetizar melhor, porque quanto mais conteúdo gratuito tiveres agora, mais rapidamente cresces a tua audiência (crescimento esse que depois te trará um retorno maior a longo prazo quando finalmente monetizares).

➤ Modelo da Motivação: Os 5 aspetos para máxima motivação

A ideia é eliminar a tua dependência de motivação externa (pressões de outras pessoas, etc.) e cultivar ao máximo a tua motivação interna, que é afetada principalmente por 5 fatores:

  1. Autonomia: controlas o trabalho que fazes?
  2. Amar a atividade: fazes o trabalho só pelo prazer de fazer a trabalho em si?
  3. Curiosidade: queres aprender sempre mais sobre o tema do teu trabalho?
  4. Maestria: queres sempre ser cada vez melhor no trabalho que fazes?
  5. Propósito: esse trabalho contribui para uma causa maior (beneficia também mais pessoas)?

Este é um simples modelo que podes usar para perceber onde é que te falta motivação, para que possas alterar isso.

Fonte: Rian Doris:

➤Porquê tão importante saberes a vida que quero ter?

Em todo o lado falo da “vida que queres ter” (porque, de facto, é a maneira mais fácil de saberes o que queres e não queres fazer no futuro).

Mas afinal, como é que descobres a vida que queres ter? É isso que vais aprender agora:

  • Porque é tão importante saberes a vida que queres ter?
  • Qual é o processo para descobrires a vida que queres ter?
  • Como dar-te as maiores chances de teres a vida que queres ter?

Falar de tudo isto é importantíssimo, porque quanto mais cedo souberes a vida que queres ter, mais cedo podes começar a ter essa vida!

Por isso, de que é que estás à espera? Vamos começar! 😁🔥

Lembra-te: nós somos sempre limitados por aquilo que experimentámos no passado. Por isso experimenta ao máximo – só assim saberás o melhor possível o que queres fazer.

Meu exemplo

  • Irritava-me a maneira como explicavam como se tudo viesse do ar (especialmente fórmulas da Física e resolução dos exercícios de Matemática da Universidade).

Porque é tão importante saberes a vida que queres ter?

Primeiro, porque quando sabes a vida que queres ter, então tens um objetivo. E quando tens um objetivo:

  • é mais fácil saberes ao que dizer sim e ao que dizer não. No fundo, dizes sim àquilo que te aproxima da vida que queres ter e dizes não àquilo que te afasta da vida que queres ter
  • tens a vontade de ultrapassar qualquer obstáculo. Porque tu sabes que cada um dos obstáculos que ultrapassares te aproximarão mais da vida que queres.

E depois, é importante saberes a vida que queres ter, porque teres a vida que queres ter é o teu dever perante a humanidade:

  • és a única pessoa capaz de controlar o teu corpo e a tua mente e usá-los da melhor forma para o benefício de todos.

A importância de ter um objetivo principal de vida

Tu já o tens – é a atividade em que gastas mais tempo sem ninguém te dizer para fazer isso (mas se não a decidiste, estás sempre a tempo de ajustá-la).

Ou seja, é uma atividade em que não precisas de incentivos externos para a fazer (não de precisas de alguém obrigar-te, pagar-te ou de tu próprio fazeres esforço, etc.).

Convém teres sempre um objetivo principal, porque facilita todas as tuas outras decisões. E o mais provável é que o objetivo não seja exatamente o mesmo, mas ir evoluindo.

Podes criar um novo objetivo principal, olhando para as vantagens do teu objetivo principal atual e substituí-lo por outro objetivo principal que tenhas as mesmas vantagens (e talvez mais vantagens, e também menos desvantagens).

Quando tens um objetivo principal, podes para cada tarefa criar uma história de como essa tarefa te ajudará a cumprir o teu objetivo (justifica certos esforços, até os que inicialmente pare que não queres fazer. Mas se é pelo objetivo que queres, tu fazes o que é preciso). E mais tarde, delegar, se é algo que não tem a ver.

Tudo o que fazes é para o avanço do teu objetivo principal. E a ideia é que tudo o que não avance o teu objetivo principal seja invisível (ou delegares, ou decidires que não precisas de te preocupar com esse assunto).

Meu exemplo:

  • Antes: Lego e Magic: The Gathering
  • Secundário: clã de Clash Royale (e Magic: The Gathering e Hearthstone)
  • Gap Year e Universidade 3 anos: ser professor e investigador de Matemática
  • 2.º Gap Year: ter um trabalho que me permitisse o horário que quisesse (primeiro explicador e criador de conteúdo de Matemática, mas depois só criador de conteúdo)
  • 1.º Ano Trabalho: criar conteúdo de Matemática de 3º Ciclo e Universidade para Portugal, e também alguns assuntos de vida e futuro
  • 2.º Ano Trabalho: descobrir as lições essenciais da vida para qualquer pessoa, especialmente jovens de secundário e superior (começando por Portugal e depois a nível mundial, pela língua inglesa)
  • Todos estes caminhos vão especificando cada vez mais o conjunto de vantagens que quero para mim e que mais valorizo.

Chorar e objetivo principal

As ideias mais profundas com as quais concordas irão muitas vezes fazer-te chorar (pelo menos é o que acontece comigo)

Perguntas chave para descobrires o que queres da vida

  • Se tivesses tanto dinheiro que não precisavas de trabalhar, o que farias? (Farias o que estás a fazer agora ou algo completamente diferente?)
  • Podias morrer já ou o que falta fazer?
  • Se tivesses 1 dia para viver, o que farias? (e 1 semana? E 1 mês ou 1 ano?)
  • Daqui a 10, 100, 1000 anos, o que é que ainda interessa?
  • O que é que só tu podes fazer?
  • O que é que tu fazes sem ninguém te dizer para fazeres?
  • Como queres gastar cada segundo da tua vida? (Como seria o teu dia-a-dia ideal?)

Porque é tão importante seres autêntico e seguires o teu próprio caminho?

O instinto natural do ser humano é procurar aprovação das pessoas à sua volta. Afinal de contas, há milhares de anos, um ser humano só sobrevivia com o apoio das pessoas à sua volta – daí isto ser tão importante ter a sua aprovação.

Agora, a realidade mudou – procuramos a aprovação não de dezenas, mas sim de centenas ou milhares de pessoas, quando a aprovação de nenhuma delas nos dará qualquer vantagem de sobrevivência – pelo contrário!

O teu objetivo é viveres a vida que queres ter, independemente do que os outros pensem de ti.

Não deixes de viver a vida que queres ter só para não ouvir um comentário desagradável num almoço de família ou nas redes sociais.

Porque a verdade é que faças o que fizeres, haverá sempre alguém que critique.

Por isso, mais vale fazeres o que queres! És criticado, sim, mas pelo menos fazes o que queres!

O desafio agora é: sendo tu próprio, como encontrarás quem te quer? Usa o poder do ir embora – esse poder protegerá-te sempre (não precisas de aturar essa pessoa)

Porque “a vida que quero ter” é a única questão certa? (em vez de procurar sempre mais e mais ou aprovação, etc.)

  • Tudo é ilusão. Só interessa o que queres.
  • Tudo (Trabalho, relações pessoais, etc.) é para servirem a vida que queres ter (e não o contrário!), ou seja, não viveres a tua vida à volta de trabalho, relações pessoais, etc.
  • Esquece a ideia de que trabalho é aquela coisa que não gostas de fazer e que descanso é o que fazes depois do trabalho
  • Todos os aspetos da tua vida devem ir ao encontro da vida que queres ter e não o contrário
  • QUem critica não pensa no que é mlehor para ti ou para todos – pensa se tu fizesses aquilo que eles dizem, quem isso iria beneficiar. Aí vês logo se é útil ou não.
  • Sê autêntico em tudo – assim irás atrair pessoas com a mesma “energia” (EX: vídeos meus com amor, curiosidade, etc, irá atrair principalmente pessoas desse tipo)
  • Não é o teu direito, é o teu dever. Esta á a tua missão.
  • Tua missão: desvendar-te e perceber aquilo que tu queres todos os dias e jogar de forma a quem esteja à tua volta também esteja ok com isso (mudar de local, se necesssário)
  • O teu objetivo de vida é convencer-te a fazer aquilo que queres que aconteça (e mudar as crenças pessoais que sejam precisas e ver tudo como uma oportunidade para aprenderes mais e melhorares o teu software)
  • Como ganhar a vida a fazeres o que queres? Quanto mais cedo começares melhor

O que realmente significa “a vida que queres ter”?

A arte de escolheres a vida que queres ter é não ser ultra específico, mas seres apenas suficientemente específico.

Ou seja, em vez de pensares, na minha vida “quero ser exatamente isto”, pensas quero que a minha vida tenha “estas determinadas características”.

➤Como descobrir a vida que queres ter?

Não penses em profissões, pensa em conhecimento

O mundo está cada vez mais incerto – pela primeira vez na história da humanidade, não é nada óbvio como será o mundo nos próximos 10 anos.

Por isso, também jã não faz sentido falar em termos de profissões, que também não são certas. O que faz sentido falar sim é em termos de conhecimento.

Por exemplo, não dizes “quero ser Engenheiro Informático”

Na prática, a vida que queres ter não é “eu quero ser isto” ou ” eu quero ser aquilo”. A vida que queres ter é “quero que aquilo que eu faço tenha esta, aquela e as outras características”.

Por exemplo:

  • Como seria um dia ideal na tua vida?
  • Pessoas: com quem gostarias de estar?
    • Gostarias de viver sozinho ou com quem?
    • Gostarias de te encontrar regularmente com quem?
  • Fazer: o que gostarias de fazer?
    • Quanto tempo em casa e quanto tempo na rua?

Vamos colocar as expectativas no sítio. Não é a tua vida que se tem de moldar Às tuas escolhas de trabalho, relações pessoais, etc,. Pelo contrário, são as tuas escolhas de trabalho, relações pessoais, etc. que se têm de moldar à vida que queres ter.

  • Como é que monetizas a tua vida?

E não tenhas medo de ser ambicioso. Por exemplo, “quero ser capaz de jogar no computador o dia todo”.

Imagina que perdes o teu emprego. Que provas tens do teu valor? Quanto mais interna é a transformação, mais o valor está em ti próprio e menos nas circunstâncias atuais. Porque a tua estratégia pode resultar nestas circunstâncias muito específicas mas estares super vulnerável caso algo aconteça. Idealmente, estás sempre preparado antes das coisas acontecerem.

Porque não sabes o que queres? Porque ou não experimentaste, ou não prestaste atenção.

Se falarmos de comida, tu rapidamente me sabes dizer as comidas que queres e que não queres. Porquê? Porque:

  • Já experimentaste (imensas comidas)
  • Enquanto experimentavas, estiveste atento (às quais gostavas e não gostavas)

Mas se falarmos do que queres fazer no futuro, tu não me sabes dizer o futuro que queres e que não queres . Porquê?

  • Nunca experimentaste
  • Enquanto experimentavas, não estiveste atento

Só se experimentares e estiveres atento é que o teu cérebro registará essa informação para depois:

  • Experimenta (por mais que outras pessoas te expliquem como será, a tua experiência será diferente, porque és uma pessoa diferente)
  • Está atento (o cérebro não memoriza a não ser que esteja atento)

Se não experimentaste ou não estiveste atento, então não tens dados na memória, por isso não sabes como é.

Minha recomendação: ter um documento onde escreves tudo o que sabes sobre ti (especialmente alturas em que adoraste o que estavas a fazer).

IMPORTANTE

  • Toda a vida te perguntam se gostas ou não gostas da comida que comes, por isso prestas atenção (e memorizas qual comida gostas e não gostas)
  • Toda a vida raramente te perguntam se gostas ou não daquilo que estás a fazer agora, por isso nunca prestas atenção (até que chega ao 12º e, de repente, precisas de saber exatamente, mas não tens essa informação na memória)

É esse processo que eu faço: perante cada ação na minha vida, penso como quero para a próxima – se quero repetir ou não.

Irás mudar de ideias, por isso mantém as opções em aberto

O mais provável é que irás mudar de ideias ao longo do tempo (à medida que experimentas e percebes como é o dia-a-dia desses trabalhos).

Por isso, quando eu não tenho a certeza do que quero, eu prefiro tomar uma decisão que mantém o máximo de opções em aberto (que é para ser mais fácil eu mudar de ideias mais tarde).

Podes ter sucesso em qualquer área, desde que tenhas a capacidade (e vontade) de lidar com quaisquer circunstâncias que apareçam

No fim de contas, se terás os resultados (sucesso) que queres ou não, só dependerá da forma como lidas com as circunstâncias que te aparecem:

  • Se gastares o teu tempo a focar-te nos problemas (queixar, dramatizar, culpar, criticar, etc.) mas não nas soluções (pensar no que podes fazer agora para resolver o problema), então terás pouco sucesso, estejas onde estiveres
  • Mas se gastares o teu tempo sempre à procura de soluções (sempre a experimentar novas soluções, a a aprender com essas experiências), então mais cedo ou mais tarde terás sucesso, estejas onde estiveres.

É possível ganhares a vida a fazer o que quiseres

Hoje em dia, com a internet, podes transformar qualquer um dos teus gostos num negócio.

Por isso é que eu recomendo:

  1. Primeiro pensa na vida que queres viver (o que queres fazer no teu dia-a-dia).
  2. E depois, arranja maneira de ganhar dinheiro com essa vida (porque tudo dá para ser transformado num negócio)

Outro Resumo: “Experimenta e está atenta”

O processo para descobrires o que queres fazer da vida é “experimenta e está atenta”. Ou seja, qualquer coisa que te apeteça fazer, experimenta! E depois, está atenta às partes que gostaste e não gostaste dessa experiência. Com base nisso, ajusta a tua vida de modo a ter mais dessas partes que gostas e menos das que não gostas. Quanto mais experimentares, e mais estiveres atenta às partes que gostas e não gostas, mais saberás o que queres fazer daí para a frente.

  • Se quiseres experimentar as explicações, começa por dar explicações grátis (assim, arranjas pessoas muito mais facilmente, experimentas durante o tempo que quiseres, desistes quando quiseres ou passas para explicações pagas quando quiseres). Mais dicas no 1º vídeo acima.
  • Também podes experimentar criar conteúdo (YouTube, etc) – de Matemática ou outra coisa. Mais dicas no 2º vídeo acima.
  • Está atenta a todas as vezes em que adoras fazer algo ou em que falas com muita paixão (ou irritação) sobre algo. Experimenta fazer coisas nessa área.
  • E sempre que te apetecer experimentar algo novo só porque sim, experimenta!
  • De resto, não te limites às oportunidades que já existem (cursos, trabalhos, etc.). Tu podes criar as tuas próprias oportunidades (basta pensares).
  • E lembra-te: agora na era da Internet (com Google, ChatGPT, etc.), consegues facilmente obter resposta para tudo. Ou seja, se há algo que não sabes, basta pesquisares, e encontrarás imensa informação para te ajudar.

No fundo, quanto mais experimentares e estiveres atenta, mais perceberás o que realmente queres! (e qualquer dúvida, pesquisa!) Agora, mãos à obra! E já sabes: eu estarei cá para o que precisares! 😁🔥

Algoritmo: Experimenta e Ajusta

É importante relembrar que a vida que queres ter é processo de constante ajuste e descoberta. E não é tanto que alguma vez alcançarás a vida que queres ter. Mas o que importa é que estarás sempre mais próximo dessa vida.

  • Quando já tens algo que resulta, depois poderás sempre ajustar.
  • Nunca saberás se resulta se não tentares
  • Cada experiência que faças permite-te aprender mais de ti (quer gostes ou detestes). Detestei isto? Ótimo! Assim ensinou-me o que eu não gosto.
    • Quais são as características que gosto e não gosto?
  • Experimenta -> Teoriza e Ajusta
  • Como descobrires a vida que queres ter? (ALGORITMO para a vida que queres ter: experimenta, atento, reflete) – método científico como em todo o lado.
    • EXPERIMENTA
      • Experimenta tudo aquilo que imaginas que gostarias de experimentar
    • ESTÁ ATENTO
      • Tens muitas coisas especiais – só que nunca reparaste, porque achas que toda a gente é assim (mas não!)
      • Assuntos em que falas mais fervorosamente/choras/etc (o que realmente te interessa e quem queres ajudar?)
        • LEGO
        • Jogos Estratégia
          • MTG
          • Hearthstone
        • Educação
        • Psicologia/ajudar pessoas (longas respostas fóruns)
    • REFLETE
      • PROCESSO: quero isto ou não? Mudar rapidamente de direção.
      • EXERCÍCIO: Escrita ao fim do dia (adoraste, adiciona. detestaste, para).
    • ÁREA INICIAL DE ESPECIALIZAÇÃO?

Como concretizar: ser excelente como máxima proteção, autêntico (sê tão bom que ninguém te ignora)

  • Não vás atraás os resultados. Vai atrás do processo.
  • Não fiques na situação ue não queres demasiado tempo – habitua-te à mudança
  • Focar no teu conhecimento/competência e audiência/confiança dará o máximo de proteção em tudo

Sê bom/destaca-te através de uma combinação única de conhecimento/capacidades

O meu exemplo (como fui ajustando a minha vida à medida que fui experimentando)

  • Timeline daquilo que sabias ou não mais ou menos em cada altura (sec, anos de uni, etc.)
  • A minha História:
    • Clash Royale: aturar pessoas – NÃO (perde-se muito tempo sem se fazer nada)
    • Tempo de Férias/estudo exames: SIM
    • Universidade com COVID – estudo em casa: SIM
    • Trabalho de 3rd year essay – esforço imenso sem retorno – NÃO
    • Explicações: trabalhar ao ritmo de outros (eu querendo mais do que elas) – NÃO
    • Responder Redes Sociais – NÃO
    • Já se queixa um pouco de fazer Matemática (e irei reduzir). Mas nesta parte de futuro foi super fácil concentrar – nem 1 segundo de pensamento extra – total concentração.
    • Criar Conteúdo YouTube – resultou! isto pode ser uma maneira! – SIM

➤As 3 Necessidades Psicológicas Fundamentais (cria a tua vida para com base nestes 3 pontos e o resto é mais fácil)

O ser humano facilmente gosta de qualquer atividade, desde que satisfaça os 3 pontos seguintes:

  1. Controlo (Autonomia): tens algum poder de decisão sobre ti próprio
    • Exemplo: Trabalhas por conta própria, ou trabalhas por conta de outrém mas tens algum controlo sobre o teu horário e tarefas, etc.
  2. Competência: és competente no que fazes e tentas sempre melhorar
  3. Relacionamento (Conexão): permite-te conectares com outras pessoas

Não satisfazer algum destes pontos é o que normalmente leva à desmotivação.

  1. Tens problemas mas sentes que não tens controlo para o resolver – tens de pedir autorização (muitos empregos são assim, especialmente se fores substituível)
  2. Não te sentes competente em nada – tudo o que fazes é genérico
  3. Achas que não fazes a diferença na vida de ninguém (sem relações sólidas nem trabalho que ajude pessoas)

Como a cultura atual

  1. Autonomia (Controlo)
    • Naturalmente escolhemos fazer o que os outros querem
    • Colocamo-nos em circunstâncias em que apenas recebmos ordens e temos pouco poder de decisão
  2. Competência
    • Evitar desconforto e desafios
    • Tempo todo a consumir conteúdo
  3. Relacionamento (Conexão)
    • Tempo todo a consumir conteúdo
    • Tempo todo em trabalho

MEU EXEMPLO:

  1. Trabalho por conta própria e liberdade financeira
  2. Aprender sempre mais e mais
  3. Partilhar todo o meu conhecimento com as pessoas que quero ajudar (especialmente jovens)

MANEIRA FÁCIL DE ATINGIRES ESTES PONTOS:

  1. teres um trabalho por conta própria (ou outra em que tenhas muito autonomia)
  2. em que és bom no que fazes
  3. e ajudas outras pessoas com isso

Existem maus objetivos?

  • Não existem maus objetivos, porque qualquer experiência é uma experiência útil e fazem-te perceber se é o que verdadeiramente queres ou não.
  • Trabalho feito com vontade no que quer que seja será sempre aprendizagem útil para futuro.

Uma preocupação para depois: o que realmente vale o teu esforço?

Se ainda não estás totalmente dedicado a algo, então não vale a pena leres esta parte, porque esta parte só se aplica a quem já tem total dedicação por algo.

Há algo que me preocupa ligeiramente: pessoas que se dedicam totalmente a algo, se tornam os melhores no que fazem, mas essas atividades, por si só, não têm valor prático nenhum (isto é especialmente atletas de alta competição, incluindo jogos, e outras atividades que não têm benefícios para ninguém além do próprio. Certas disciplinas académicas, como talvez Matemática Pura, Filosofia, etc, sofrem do mesmo).

Algumas ideias sobre resultados disto:

  • pode inspirar outras pessoas a dedicarem-se ao máximo na sua atividade (o que é útil)
  • mas também pode inspirar muitas pessoas a seguirem essa mesma atividade “inútil”
  • faz a própria pessoa procurar sempre maneiras de se melhorar (e muitas destas capacidades terão imensos benefícios para si e pessoas à tua volta: tratar bem do corpo, etc.)
  • experiâncias diferentes criam pessoas com mentalidades diferentes
  • outra ideia é que total dedicação, seja onde estiver, é a melhor coisa que essa pessoa pode fazer

Talvez ver tudo pela lente do útil e inútil não seja sempre a melhor maneira de pensar. Mas até agora, nada me tira este ligeiro desconforto de que muitas destas pessoas totalmente dedicadas se dariam igualmente bem ou melhor ainda noutro ambiente que talvez as desafiasse ainda mais e fosse mais útil.

No meu caso, isto foi decidir deixar a ideia de uma carreira académica em Matemática Pura, pela criação de conteúdo sobre Matemática, vida, e tudo o que ser humano precisa (trabalhando por conta própria, fazia tudo como querias, todo o meu esforço seria recompensado e de facto teria impacto nas pessoas à minha volta, em vez de sentir que estava a fazer imenso esforço para impactar ninguém senão eu).

No fundo, acredita sempre em ti. E lembra-te que podes fazer sempre melhor, para ti e para os outros.

➤Como ter a vida que quero ter?

Estás ou não estás a viver a vida que queres viver?

  • Pergunta-chave: “Estás sempre entusiasmado pelo dia de amanhã?” (se não, é porque ainda não estás a viver a vida que queres viver)

Para de pensar no que queres ser, pensa nas ferramentas que precisas

  • “Não sou nada, apenas faço coisas”.

Não penses em “querer ser isto ou aquilo”, porque isso irá limitar o teu pensamento. Pensa naquilo que queres, e nas ferramentas que precisas para consegui-lo (o que é que eu preciso de saber para chegar onde quero?)

Matemática, Filosofia, etc, não é para ser Matemático, Filósofo, etc. São apenas ferramentas para te ajudar a ver o mundo, pensar e decidir.

Evolução das Oportunidades

  • “Aquilo que te levou até aqui provavelmente não te levará mais longe”
  • Como saber que oportunidades aceitar e rejeitar? À medida que evoluis, os teus critérios sobre as oportunidades que aceitas ou rejeitas têm de ser cada vez mais exigentes (cada segundo da tua vida vale cada vez mais).
    • Exemplo: No início, tratas-e de eliminar os hábitos que só te prejudicam. A dada altura, quase tudo o que fazes te beneficia, por isso aquilo que antes era uma ótima oportunidade, agora pode já não o ser.

Sê tão bom que ninguém te ignora. Como conseguir oportunidades?

  • Faz tu primeiro por iniciativa própria. Quando mostrares publicamente o que és capaz, então virão imensas oportunidades mesmo sem procurares.
    • Exemplo: No meu caso, começou com pedidos de explicações, depois pedidos para falar em escolas, dar entrevistas, colcaborar com marcas e contribuir para manuais escolares. E assim foi continuando.

Quando dizer sim e não

  • “Isto ajuda o teu principal objetivo?”
    • Quando já souberes o teu principal objetivo, então pensa se essa nova oportunidade se alinha com o teu principal objetivo (se não é óbvio que se alinha, então é não).

Caminho Mínimo

Sendo que o nosso tempo é limitado, então é importante apenas gastar tempo naquilo que verdadeiramente te avança para os teus objetivos. Por outras palavras, esou sempre à procura do caminho mínimo necessário para atingir os meus objetivos. Para isso, é importante:

  • constantemente eliminar tarefas desnecessárias do calendário
  • ser extremamente cuidadoso ao criar novas tarefas (garantindo que são mesmo necessárioas)

Tens de constamente perguntar: fazer isto é mesmo necessário? E como é que descobrimos exatamente o que é necessário? Mais logo saberemos com mais experiência! Até lá, segue o próximo passo (que esse normalmente é óbvio).

Cuidado com aquelas tentações, que parecem boas atividades, mas que não sao necessárias para chegar onde queres chegar.

Continua-me.

➤O bem mais precioso de todos: liberdade/controlo/autonomia

➤YouTube: como começar

  • Prepara-te psicologicamente (nada de agradar, mas faz por ti)
  • Numeros dont matter

➤Mestre das Redes Sociais

  • Analisa os vídeos mais vistos de outras pessoas (normalmente ou é a estrutura ou o tema que são o grande segredo e fator distintitivo)

➤Outros

Padrões mais Gerais

  • Como te fazer perguntas?
    • Garante que é a pergunta certa para o problema (e que não estás a fazer demasiadas suposições iniciais ao perguntares dessa forma)
  • Comportamento Humano
    • Eu sou importante
      • Esta é a atitude fundamental que tens de ir para qualquer emprego (não te deixes abusar – impõe os teus limites)
      • Usa o facto de seres bom e as tuas capacidades de psicologia para todas as negociações
    • Palavras tornam-se teu futuro
    • Teme desconhecido, ama familiar
    • Ninguém pode resolver os teus problemas
      • Mesdmo que alguém resolva, no momento em que não tiveres essa ajuda, os teus problemas voltarão imediatamente.

ETFs

Bitcoin

  • Usar multi-signature para máxima segurança
  • Hardware wallet mais seguro?

Rascunhos interessantes

Grande Fonte: Robert Breedlove, entrevistas com Tom Bilyeu

Porque Bitcoin poderá ser a moeda do futuro?

  • Dinheiro tem de ter 5 propriedades importantes:
    • divisibilidade – dar para transações tão grandes ou pequenas quanto quiseres
    • durabilidade – não corrói mas mantém as propriedades originais durante centenas ou milhares de anos
    • verificabilidade – os dois conseguem verificar a autenticidade
    • portabilidade – fácil de transportar
    • escassez – quantidade relativamente fixa e previsível (para dinheiro valer sempre mais ou menos o mesmo) – esta é a qualidade mais importante para evitar inflação
  • Dinheiro não é uma criação de ninguém, mas emerge naturalmente como o melhor iobjeto que satisfaz as 5 propriedades.
    • Gresham’s Law: Havendo várias “moedas”, gastarás sempre primeiro aquelas que são menos abundantes/valem menos e guardarás sempre as mais escassas/valem mais (ou seja, a tendência natural é usar o resto e guardar o ouro)
  • Ouro foi o que melhor satisfazia as 5 propriedades
  • Mas a portabilidade ainda era uma chatice – foi aí que certos armazéns guardavam o ouro, davam-te um talão e esse talão seria “tão bom quanto o ouro” – podias comprar coisas com esse talão sem ter de mexer o teu ouro (os aramzéns tratavam das transações por ti)
  • Esses armazéns transformaram-se nos bancos de hoje
  • O grande problema é que agora tens de confiar num terceiro para tratar das tuas transações
  • No fundo, os bancos surgiram naturalmente da necessidade de procurar o melhor meio para trocas que satisfaça as 5 propriedades.
  • O valor de cada dinheiro tende a convergir para o seu custo de produção (porque enquanto o valor for mais alto do que o custo de produção, então incentivo de criar mais e mais dinheiro). Por isso é que as moedas “fiat” atuais tendem a convergir para 0 (porque o custo de produção é 0 e os governos imprimem dinheiro à vontade)
  • Do mesmo modo que a evolução da imprensa deitou abaixo a igreja como a principal insituição do mundo, a internet/vbitcoin/etc. irá deitar abaixo a maioria das instituições tradicionais: escolas, governo, sistema bancário, …( há características únicas que estas insituições tinham que agora as novas alternativas já resolvem. Por exemplo, bitcoin subsitui a necessidade de entidade bancária reguladora de tudo.).
  • Mudança para moeda fiat acelerou toda esta corrupção
    • Especialmente quando os bancos só precisam de manter 10% do dinheiro que recebem e podem usar o resto
  • Porque deflação é melhor para a inovação:
    • Se o teu dinheiro valerá mais com o tempo, então tu só terás incentivo em gastá-lo quando pensas que a coisa que tu fores comprar irá ganhar-te ainda mais do que o aumento de valor naturasl do teu dinheiro (ou seja, dinheiro só valerá a pena gastar se o benefício do que quiseres comprar tiver um crescimento de valor mais rápido do que o crescimento natural da tua moeda)
      • Isto fará com que naturalmente as pessoas sejam mais responsáveis com o uso do seu dinheiro (e não promovam maus produtos ao comprá-los)
      • A tendência natural do dinheiro ganhar valor significa que a melhor estratégia para o “comum ser humano ignorante” é não fazer nada (que talvez é a estratégia mais fácil de seguir? Exceto quando o pessoal fica entediado?)
      • Melhor inovação demora tempo – e isto desacelera o mundo e deixa as coisas acontecerem.
      • Deflação incentiva a investir em vez de gastar, investir promove o desenvolvimento, desenvolvimento cria melhores condições para todos
      • Mais incentivo porque o dinheiro que recebes dos teus esforços será menos “taxado” (via inflação, etc.)
      • Em inflação, mais incentivo em ser o político que redistribui/”rouba” os recursos, do que o criador que cria os recursos – incentiva trabalhos “não prudtivos” em vez de “trabalhos produtivos” (trabalhos “imaginários” vs “reais”) – conclusão: economia afeta imenso as nossas decisões de vida
      • Porque é que em todas as trocas consensuais era preferido o ouro se a inflação fosse uma lei necessária?
  • Grande objetivo do dinheiro: é a melhor maneira de manter as tuas opções em aberto num futuro incerto (idealmente, mas não o que acontece agora)
  • Num mundo em que moeda é fixa:
    • Cada inovação/trabalho/valor criado é naturalmente adicionado ao benefício que cada pessoa recebe (imagina tanque com ar, em que metes ainda mais ar – maior densidade de ar, ou seja, mais riqueza por pessoa)
  • Mandamento mais geral de todos: “não roubes” (qualquer tipo de mal é um tipo de roubo de alguma propriedade pessoal)
    • EX: Matar é roubar a vida
    • EX: Meter na prisão é roubar a liberdade
  • Troca consensual = “aumento da felicidade geral” vs Roubo = “um perde para que outro ganhe” (idealmente: não taxar, inflacionar)
    • Solução: desincentivar o máximo de roubo e incentivar o máximo de criação (quanto mais “impossível”/trabalhoso/caro for roubar, mais fácil será estarmos no caminho certo)
      • Solução: ter uma moeda o mais difícil de roubar – eg: bitcoin
    • Por isso é que roubo é das coisas que fazem um ser humano se sentir mais revoltado (ex: monetizar o trabalho grátis dos outros sem autorização/reconhecimento – livros, por exemplo)
  • Axiomas Economia Austríaca
    • Ser humando tem de agir
    • Ser humano prefere satisfação presente do que satisfação futuro (sendo tudo o resto igual)
    • Roubo reduz sempre a produtividade
  • Problema atual: estás a criar valor mas não vês os frutos do teu trabalho
    • Ideal final: toda a gente a especializar-se naquilo que melhor faz (melhor maneira de beneficiar o mundo)
    • Até termos este ideal, temos de ser nós a saber jogar e a saber que seremos compensados.
    • Ideal: removendo todas as taxas, inflação, as pessoas começam a relacionar-se com base em trocas consensuais (“tudo o qu é forçado, não funciona. Os dois lados têm de querer”).
    • “Libertarianismo nunca funcionou porque roubar foi sempre mais fácil/lucrativo”
  • Educação é a solução: é consensual, e quando a tua perspetiva muda, não há como te tirar isso da cabeça (super poderoso!)
  • Imaginar governos apenas como um ser humano em grande escala (governo comporta-se somo alcoólico, em que imprimir dinheiro é a sua solução temporária que é má a longo prazo)
  • Modelo Keynewsian vs “Realidade”
    • Neste modelo, podes aumentar a produção se aumentares o consumo (na realidade, só consomes se primeiro produzires)
  • Se começares simplesmente a imprimir mais e mais dinheiro e a dá-lo a todos, qual é o problema? O problema é que começa a haver escassez de produtos (pessoas podem comprar mais sem precisarem de produzir para o bolo)
    • É como se todos nós contribuíssemos para um pote. Ao trabalharmos, contribuímos para o pote (com produção). Como metemos produção, podemos tirar dinheiro do pote.
    • Se metermos muito dinheito no meio, podemos tirar toda a subsituição.
    • IDEIA: Criar um jogo de tabuleiro que ensine isto
  • “Aqui que é de todos, ninguém trata”
    • (quando algo é teu, tu tratas de proteger isso e responsabilizas-te por isso), ou à força, ou levando a tribunal, etc.
    • EX: até é melhor para o ambiente, porque se alguém poluir um rio, e tu tens parte desse rio, então tens todo o incentivo de usar todas as medidaass que puderes para parar isso
      • Basicamente, tu só vais proteger algo quando acreditas que é verdadeiramente teu. Se for de todos, muito dificilmente pensarás que é teu e por isso não o protegerás.
  • O poder de dizer não/sair é o maior poder de todos (faz com que todas as negociações tenham o incentivo de ser justas)
  • IDEAL: tornar segurança social, etc, opcional (e opção de sair do país sem pagar taxas) – como se fosse um serviço opcional pago ao estado
  • English Common Law vs Lei por Fiat
    • Observar soluções comuns e traduzir para linguagem de lei vs inventar a lei que te apetece e te dá jeito
  • Fundamental: Qualquer interação seja consensual (e se alguém tentar agir de forma não consensual, tens direito a defender-te de forma não consensual)
  • Induzir dor/fazer as pessoas sentir na pele o problema é a maneira mais poderosa de incentivar ação em qualquer pessoa (cria vontade natural)
    • Então rapidamente descobrirão ou procurarão solução (incluindo procurar a educação necessária)
    • O melhor é mudar os incentivos
    • Seres humanos não seguem leis – seguem incentivos
  • Tecnologia evolui mais rapidamente do que qualquer governo (e muito mais impactante)

Resumo

  • O que interessa? -> Como transformar num emprego? (tudo se torna mais fácil se começares por aqui)
  • Problema: estratégia de vida que funcione em qualquer situação?
    • Invariante
    • Insubsituibilidade (o melhor sindicato é poderes sair a qualquer altura)
    • Opções em Aberto
    • Algo que me desse satisfação
  • As 3 Fases de Evolução: Conta Outrem -> Freelancer -> Rendimento Passivo (Algoritmo para a liberdade financeira)
    • CUIDADO: Se começares a evoluir novo, evolui sempre o teu psicológico
    • O problema de trabalhar para outrém é que é como uma pacote de férias/excursão: todas as decisões estão feitas por ti, mas não tens liberdade para fazeres o que queres.
    • Outrém: suga todo o conhecimento, julga tudo de forma crítica e aplica o que te interessa (pede por aumentos frquentemente e procura sempre novas oportunidades) – escolhe empregos em que haja imediatamente essa oportunidade
      • Espera saltar muitas vezes
      • Procura de Emprego
        • Não exclues possibilidades, especialmente as melhores
        • Não procures ambientes tóxicos (familiares) – impostor syndrome – “sê importante”
      • Entrevistas de Emprego
        • Objetivo: perceber se são compatíveis (acima de tudo, perceber se é o sítio certo para ti, eles percebrem se é a pessoa que precisam)
          • “Não estás lá para convencer ninguém”
        • Método: sê o mais genuíno possível – não tentes impressionar, nem dizer o que pensas que querem ouvir – dá a descrição mais exata daquilo que tens para oferecer (não te tentes fazer mais nem menos do que és)
        • Personaliza também de acordo com
        • Esclarece tudo isso nas entrevistas de emprego
        • Se já tiveres ideia da vida que queres ter e do género de trabalho que queres, faz perguntas para ver se isso é possível (negoceia logo ao máximo no início)
        • O que procuras no emprego? Eles oferecem isso? (garante que depois estará também explícito no contrato – só o que está escrito e assinado é que vale mesmo). Não te sintas pressionado a assinar nada. Se te tentarem pressionar, sai imediatamente.
      • Aumentos: tu conseguirás ter sempre um aumento desde que:
        • O valor que trazes à empresa paga é muito mais do que o teu salário
        • És difícil de substituir (combinação única)
        • Existe uma pessoa com que consigas negociar diretamente o salário
        • Já tens oportunidades noutros lados à espera
        • Lê muito bem todas as condições do contrato antes de assinares (garante que é super fácil mudares de ideias e pede para adicionar certas alíneas ao contrato se necessário)
  • Curso Superior
    • Qual é o curso mais desafiante em que queres dar tudo?
    • É só uma ferramenta
    • “O que precisa mais de um curso?”: Ganhar conhecimento técnico que dificilmente encontras na net (e ganhar os contactos todos para futuro) – se vai lá com tutoriais do YouTube, então não precisas de curso.
  • Conselhos de Carreira
  • Os grandes mitos e verdades sobre carreira/negócio – Princípios
    • Escola vs Trabalho: “mostrar” vs “ser”
      • sem uma razão para trabalhar, apenas jogas para as notas (em vez de para o saber): vais-te lixar a longo prazo
      • todos estamos a jogar este jogo parvo de qualificações (em que não aprendes nada), quando aprendes muito mais no YouTube.
        • PREVISÃO: O sistema atual está obsoleto e a única razão porque ainda existe é porque não se pode acabar com sistemas assim de repente e deixar imenso pessoal no desemprego (e a escola também dá jeito como depósito de crianças enquanto os pais vão trabalhar)
      • FUTURO: Totalmente irrelevante as tuas qualificações (qualquer pessoa minimamente inteligente não te vai rejeitar só por isso). Especialmente em empresas será tendência natural, porque na prática não significa saber nada.
    • Grande Problema: NPC: mexes-te mas não sabes para onde vai nem o porquê de nada
      • Zombie na escola, na universidade e agora no trabalho (sem qualquer personalidade)
      • Estás só a aceitar trabalhos aleatórios, mas sem ideia de onde queres chegar.
      • Também não aprendes nada na universidade (porque na altura nem te interessava – era só passar por passar) – docar no ºmostrar” vs “ser”
    • Imensa Oportunidade (ilusão do “está tudo inventado”) – parece porque tu não sabes nada
    • O problema com trabalhares para outra pessoa (ilusão de segurança)
    • Todos sermos vítimas dos nossos próprios sistemas
    • Verdade: tu receberás o menor salário que estiveres disposto a aceitar, sempre!
    • Exercício: sente já o sofrimento do que estás a fazer – repetição constante e eterna sem evolução futura, esforço sem retorno nenhum
    • Trabalho e lazer são 2 opostos – NÃO! Monetiza o que gostas: só precisas de Produto e Marketing (mais nada!)
      • Preciso de arranjar emprego? Errado – podes criar o teu emprego! E o melhor é que podes criar esse teu emprego à tua medida (eu nunca fui a uma entrevista nem fiz um CV) – vê para além daquilo que está imediatamente à tua volta e imagina/sonha
        • Cada vez é menos óbvio que qualquer emprego sobreviva tantos anos de evolução tecnológica
        • Preciso de curso para …
          • Qualificações é irrelevante – interessa é seres bom e trazeres resultados
          • Podes aprender tu próprio! (nunca foi tão fácil)
      • Mais Importante: ser bom (“quem não precisa do outro tem todos o poder – se puderes sair a qualquer momento, tens o poder”)
        • Invariante: o que é certo? Tuas capacidades! (é o mais valioso) – cultura de ser vs mostrar
          • Combinação ùnica de skills (por exemplo,eu comecei por Matemática, mas agora quero evoluir para desenvolvimento pessoal, psicologia – e posso combinar tudo!) Ser bom numa coisa ainda me torna melhor na seguinte (efeito bola de neve) porque trago perspetiva única para tudo.
          • Usa aquilo que já e torna-o numa vantagens (até “fraquezas”)
          • Esquece a ideia de ter a mesma carreira 50 anos (e nem queres isso!)
          • Vai contigo, onde quer que vás (trabalhando para outro ou conta própria)
          • Aprender; Inglês, Matemática, Pesquisar, Escrever, Psixcologia Humana?
        • O que interessa não é como és igual a toda a gente – é como és diferente.
          • Neste momento, curso superior é pré-requisito mas de resto vale zero (interessa é o que aprendeste)
        • Fundamental (Marketing)
          • Passa Palavra super eficaz (por isso é que ser bom é tão importante)
          • Redes Sociais dão provas imediatas – “se eu fosse conhecer esta pessoa, qual seria?”
          • Ilusão do “não há clientes” (se ninguém descobrir-te, sim, óbvio!)
        • Negócio é resolver problemas (e relação para a vida)
          • Não gosto de negócios que é só “jogar ao dinheiro”
          • Domina o Psicológico: é o que distingue qualquer negócio “normal” (o serviço ao cliente)
            • Grande segredo é bom serviço ao cliente
            • Mais fácil manter clientes do que arranjar novos
            • Negócio é resolver problemas (e construir relação para a vida)
  • Tomar Decisões – Princípios Gerais
  • Sê um T – focado em 1 área inicial e depois áreas de suporte
  • Começar fácil no YouTube, etc
  • Exemplos de Negócio
    • Fazer o que eu faço para qualquer outra disciplina (especialmente fácil para professores ou explicadores ou alunos)
  • Benefícios/IObjetivos:
    • Liberdade
    • Não precisas de autorização
  • Melhor para humanidade:
    • ninguém se sujeita a trabalho precário
    • Teu dever: ter um trabalho exatamente ao teu nível de capacidade (em que tu fazes o que queres)
  • Maus hábitos: Largar os jogos, redes sociais, qualquer vício, etc.
    • Impossível, a não ser que tenhas alguma razão mais forte – aí será fácil (“competing interest”)
      • EX: levar filha ao altar com tanque de ar atrás
      • “He who has a why can bear almost any how”
    • Cultivar atenção ao hábito (percebê-lo completamente) –
      • Atenção aumenta conexão entre lóbulo frontal e circuito de hábitos (gânglios basais)
      • Inicialmente é circuito de dopamina, depois é hábito
    • VÍCIO/HÁBITO: fazes mesmo quando já não queres fazer, nem sentes prazer do que estás a fazer.
  • Governo ideal futuro: apenas defende vida, liberdade e propriedade (deixar que economia se trate de si mesma?)
    • Bitcoin protege-te do “roubo” do governo
    • Todo o melhor talento será atráido para o estado mais libertariano que exista (alguma maneira de fazer isto a mini-escala?)
    • Viveremos num mundo muito mais consesual (à base do consenso), em que o pessoal vota com a sua presença/saída

➤O meu guia completo para criadores de conteúdo em Portugal

  • Especializa-te numa área (e depois expande para uma área mais profunda ou adjacente).
    • Por exemplo, canal YouTube de Matemática expandir-se para um canal de melhores técnicas para tudo (oq eu há em comum é o desejo por excelência)
    • Outro exemplo: canal YouTube de Matemática expandir-se para outros anos de escolaridade ou provas.
  • Usa grupos de Facebook

Qual é o melhor conteúdo para criares?

  • Cria o conteúdo que tu próprio estarias interessado em ver.
  • OU (talvez melhor ainda?) cria o conteúdo para relatar e refletir sobre o que estás a fazer agora (no teu trabalho ou vida em geral) – o tal “resolve e relata”

Poucas Visualizações não significa má qualidade

Às vezes, é só uma questão de:

  • esperar mais tempo
  • ou vir o timing certo
  • ou aumentar a divulgação

O mais importante é continuares a aumentar a qualidade e a divulgação e depois deixar que o tempo faça o resto (certos vídeos meus só “explodiram” meses ou anos depois).

Por exemplo:

  • o meu vídeo de Álgebra Linear explodiu logo que foi lançado em dezembro (altura de exames), mas depois cresceu muito pouco (quando poucos alunos tinham Ákgebra Linear), até que veio o ano letivo seguinte (em que imensos alunos tinham Álgebra Linear) e por isso explodiu outra vez e muito mais do que antes.

Compara só contigo

Quando estiveres a comparar vídeos (não compares com outras pessoas, mas sim comparando com os outros vídeos do teu canal). Os teus melhores vídeos dar-te-ão pistas daquilo que resulta melhor PARA TI (enquanto que comparar com vídeos dos outros dá-te pouca informação útil para ti, mas apenas te dá algumas sugestões de coisas para experimentares, que podem resultar para ti ou não).

Nota: Só por um canal ter sucesso e fazer certa coisa, não significa que essa coisa seja a razão do sucesso (ou que ajude ao sucesso). É também possível que o canal tenha sucesso “apesar dessa coisa não ajudar” (ou seja, o canal pode já ter tanto sucesso, que fazendo algumas coisas mal, não se nota para quem vê de fora).

Tamanho de audiência e tipo de negócio

  • Quando a tua potencial base de clientes é MAIOR, podes-te dar ao luxo de ganhar MENOR por cliente (ou seja, vender produtos mais baratos)
  • Quanto a tua potencial base de clientes é menor, convém ganhares MAIS por cliente (vendendo produtos ou serviços mais caros)

Qualidade primeiro, consistência depois

  • Em cada novo vídeo, experimenta uma coisa nova que melhora a qualidade do vídeo
  • Quanto mais intemporal for o teu conteúdo (e quanto mais aparecer na pesquisa Google e YouTube), menos é necessário consistência. Mas claro, sendo tudo o resto igual, mais consistência ajuda sempre.

➤Profissionais e Negócios que Portugal precisa

  • Mindfulness e outras práticas de Corpo-Mente
  • Agricultura Biológica e Pecuária Biológica

Minha missão: incentivar a criação dos negócios em Portugal que permitem a todos terem acesso fácil aos melhores hábitos de vida.

➤Onde gastar o teu dinheiro futuro?

  • É inevitável que chegará a uma altura em que terás tanto dinheiro que não saberás o que fazer com ele.
    • Guardá-lo não faz sentido. Mas também não o quero usar à toa.
    • O que faz sentido é aplicá-lo imediatamente em coisas que de facto mudam a realidade agora (tendo um efeito exponencial no futuro).
  • Por isso, uma das prioridades importantíssimas é aprender a expandir atividades para outras pessoas além de ti, de modo que possas aplicar o dinheiro em algo verdadeiramente útil.
    • Isto poderia envolver apoiar pessoas individuais ou empresas diretamente(um sistema de prémios ou donativos para recompensar alunos ou trabalhadores ou empresas pelo seu excelente trabalho e garantir que têm as condições para o continuar a fazer – se fosse automático, tipo à base de cumprir certas missões específicas, seria interessante).
    • Outra possibilidade seria tu criares as tuas próprias empresas ou instuições de solidariedade social.

Se pensares bem, um governo é uma instituição de distribuir riqueza. Por isso, no fundo, poderias ser um mini governo (o que é que isto significaria em concreto?)

➤Grande Facto do Dinheiro: não resolve, só amplifica

Mais dinheiro, por si só, não resolve nada (o dinheiro apenas amplifica as qualidades que já tens em ti).

Em particular, mais dinheiro não resolve problemas, apenas amplifica os problemas já exiastentes (se haviam problemas, eles ficam mais visíveis e óbvios)

  • Se tiveres problemas internos, mais dinheiro vai amplificar esses problemas internos, porque percebes que mais dinheiro afinal não resolveu o problema e que, agora que tens dinheiro, “não te devias” sentir assim.
  • Se tiveres um negócio de sucesso, mais dinheiro vai amplificar esse sucesso (porque irás usar a boa mentalidade de negócio que já tinhas mas em mais larga escala. Ou seja, agora continuar o sucesso, mas em grande!).
  • Se tiveres um negócio falhado, mais dinheiro vai amplificar esse falhanço (porque irás usar a má mentalidade de negócio que já tinhas mas em mais larga escala. Ou seja, agora vais continuar o falhanço, mas em grande!).

Conclusão: muda a informação no teu cérebro (mentalidade, conhecimento, crenças, etc.) e mudarás os teus resultados. Mais dinheiro apenas ajudará a amplificar os resultados que já irias ter com menos dinheiro.

➤Principais Influências

  • Experimentar, observar-me e tirar as minhas conclusões
  • Cal Newport (“So good they can’t ignore you”)
  • Dan Koe (YouTube e artigos)
  • Alex Hormozi (YouTube e cursos)

➤O que há depois?

A única maneira de não perderes nenhuma novidade! 📩

Recebe todas as novidades por email:

Partilha nas redes sociais:

Facebook
WhatsApp
Email

Pergunta ou Sugestão? Contacta-me! 😁❤️